Assaltantes não perdoam nem oratório no Espinheiro