Por Gisele Lourenço, do Espaço Mercatto

Verdade que nascemos papelaria (Mercatto Papéis e Mimos), mas a essência de mercado já estava expressa no nome. Traduzir um espaço que fortalece a identidade local enquanto abriga diversidade e promove encontros é a nossa função!

E é bem assim: quando a gente se junta, cada um com suas características diferentes e alguns pontos em comum, milhares de ideias pulsam!

Uma das ideias foi compor um Álbum de Figurinhas da casa no projeto do aplicativo PorAqui, que está sendo desenvolvido no Porto Digital e chegou recentemente ao Espinheiro e aos Aflitos. Nossas “Figurinhas” são nossos clientes incomuns. 

Por que “incomuns”? Por que não pode ser “comum” você entrar numa papelaria e, em poucos minutos, estar contando uma história da sua vida, da cidade, com detalhes que só você conhece!

(foto: Divulgação/Espaço Mercatto)

Não pode ser “comum” você entrar numa galeria de arte e estar compartilhando um projeto, uma ideia, um sonho de um jeitinho que soa a um convite! Não pode ser “comum” você entrar numa loja de presentes e descrever o presenteado de uma forma tão detalhada, que ele é reconhecido pela vendedora, sem nunca ter entrado antes na loja e não estar usando o presente! 

Essa capacidade de se conectar com o outro, de estar aberto para o outro, torna esse cliente “incomum”, não se trata mais de um cliente, torna-se uma Figurinha Rara!

Decidimos, pois, colecioná-las, através do registro das conversas muito bem fiadas que entabulamos. Figurinha à parte, chega Eduardo Amorim, conteudista do PorAqui, o jornal de bairros do Sistema Jornal do Commercio, que, depois de entrevistar a dona da casa, abre, generosamente o espaço da Estação Aflitos e Espinheiro do aplicativo.

Nosso sonho ganha o mundo e é compartilhado, muito além das mídias sociais. Veja como já temos cinco conquistas nesse pouco tempo de colaboração!

1 – Em nossa primeira entrevista, confeccionamos a Figurinha Número 1, o casal Adriana e Giovanni Papaléo, integrantes da Uptown Blues Band e organizadores de diversos festivais de blues e jazz por aí afora, que plantou o sonho de um Festival de Jazz no Espinheiro. 

Como funcionaria? Quais os custos? Onde faríamos? Estamos pesquisando, buscando parcerias e seguimos adubando o sonho…

(foto: Colaboração/Gisele Lourenço)

2 – Nossa segunda entrevista gerou a Figurinha Número 2 com as meninas da Casa Wildice: Terezinha, Ana Maria, Fatima e a sobrinha Heloiza, que, além do amor ao trabalho, compartilham a maior herança deixada pelo pai, o Seu Daniel, que tinha, na fé em Nossa Senhora e na oração do terço, a crença da força e da união, capazes de superar as dificuldades. 

As irmãs que já traziam a tradição da oração do terço há tempos e revezam-se entre as casas da família e de amigos, plantam uma nova semente!

Depois da entrevista publicada no PorAqui, decidem iniciar um ciclo de oração nas organizações parceiras levando a oração do terço aos negócios do bairro! Até eu, que vivo sonhando em criar motivos para sonhar junto, me surpreendo com a investida:  

“Pois é! Em tempos de crise, de temores, de insegurança, de necessidade de inovação, a gente resolveu criar uma rede de força, de fé, de confiança e queremos começar com o primeiro terço aí no Espaço Mercatto, depois tem a Clifisio (Clínica de Fisioterapia de Fátima, nossa vizinha)", me explica Terezinha.

Fico feliz e me sinto privilegiada com o convite: nós abrimos o Ciclo de Oração do Terço de Nossa Senhora, promovido pela Casa Wildice. Foi no dia 4 de maio, quinta-feira. E o Ciclo segue distribuindo boas energias para nossas vidas e nossos negócios, podendo, a partir dele, impulsionar muitas outras parcerias. 

E para quem quiser entrar nessa roda, entre em contato com a Casa Wildice, inscreva seu negócio nessa agenda do bem e junte-se à essa rede!

(foto: Colaboração/Gisele Lourenço)

3 – Continuando nosso resumo das ações que se desenvolveram a partir do encontro, da identificação e do registro do sonho e da publicação deste no canal de referencial local possibilitado pelo PorAqui, segue a descrição do que se desenrolou a partir de nossa Figurinha Número 3.

Adriana Alcântara, fonoaudióloga, especializada em alfabetização de pessoas com dificuldades, sonhou com uma classe de alfabetização dos catadores do bairro. 

À exemplo do que vinha sendo desenvolvido no bairro da Torre, a partir de cursos voltados para os catadores de materiais recicláveis do Pronatec, desejou uma classe no Espinheiro. Falta o que, Adriana? A gente entra com o espaço. E Adriana, com gestos, imagens, sons e tudo que tem direito, até lá, rabiscando um projeto para o sonho tomar forma.

Quer montar uma classe no seu negócio, na sua escola? Ou tem um sonho pra compartilhar conosco? Entra em contato conosco!

(foto: Colaboração/Max Vinícius)

4 – Recentemente, ainda conseguimos realizar o sonho de pichar a parede da Mercatto. O trabalho #IntervençõesUrbanasInteraçõesHumanas ainda está na metade, mas próximo dia 20 tem mais pintura. E seguimos também procurando novas figurinhas! Venha, junte-se à nós. PorAqui, nós realizamos sonhos! Afinal, #OEspinheiroTemdeTudo!


O jornal de bairro evoluiu. No PorAqui, você encontra estações de conteúdo hiperlocal e colaborativo.

Para baixar o app e convidar os vizinhos: Android e iOS

Sugestões e colaborações: aflitos.espinheiro@poraqui.news e (81) 98173-9108 (WhatsApp)