O que nos liga afetivamente a um lugar? Boas lembranças, boa comida, boa música… Os motivos pelos quais frequentamos os bares e restaurantes da cidade são muitos, mas, no Espinheiro, na Zona Norte do Recife, há um lugar que, há pouco mais de dois anos, é o queridinho dos descolados da cidade.

Opção “zero um” da balada, seja por qual motivo for, como não amar o Armazém Centenário? “Acho que a relação afetiva do bar com os clientes vem do fato de fazermos com que eles se sintam em casa. Aqui não tem ‘frescura’. Fazemos amigos novos toda semana”, conta um dos sócios e chef do local, Gilberto Lins.

Sabia que uma turma também se reúne em frente ao armazém, embaixo de uma árvore centenária, com cooler e música? É a turma do Gamalera Storm.

foto: Divulgação DiG Assessoria

VEJA TAMBÉM:

Guia afetivo das cafeterias mais queridas dos Aflitos e do Espinheiro

Comaqui Su Na: sua chance de provar o ovo centenário no Recife

Para saber direitinho a razão do afeto, fomos lá e perguntamos: qual o seu motivo para amar o Centenário?

André Balaio – escritor e roteirista
O ambiente é aconchegante, a música é sempre boa, a comida é deliciosa, a localização é perfeita e a cerveja é estupidamente gelada. Mas o melhor é o ambiente. Gosto muito do bar, o prédio de esquina com as portas abertas, o interior com aparência rústica. É charmoso e aconchegante, você se sente em casa.

Dani Acioly – artista plástica
O Armazém Centenário é um lugar no qual a comida é boa, o atendimento é bom e a cerveja é gelada. Mas o principal é que é um lugar para encontrar amigos. Um lugar astral que você vai sem combinar com ninguém e sempre encontra gente conhecida.

Ivan Moraes Filho – jornalista, escritor e vereador
Eu poderia dizer que gosto do Centenário porque é perto de casa. Porque tem um cabrito indiano fantástico ou porque a cerveja é sempre gelada. Mas os motivos que mais me levam a voltar sempre a esse bar são seis: Giba, Mário, Adrianinha, Tomás, Cristiano e Stelinha. Frequentar um bar em que você é tratado como amigo não tem preço.

Cezar Maia – cineasta
O Centenário deveria se chamar Bar de Giba, a maioria das pessoas que conheço e vai lá é por causa do carisma do galego. A cerveja é bem gelada e a seleção musical também é bem legal. Sem falar que sempre tem gente conhecida. Recomendo provar a comida do galego, ele se garante na cozinha.

foto de parte do cardápio do Armazém Centenário
Parte do cardápio do Armazém Centenário (foto: Facebook/Armazém Centenário)

Ivana de Souza – consultora de marcas
O Centenário é minha saída certa de casa. Seja pra um happy hour, um esquente pra night adentro ou uma farrinha inesperada por lá mesmo. Isso porque sempre tem gente querida, cerveja gelada e comida boa. Pra coroar tudo isso, o esquema de conta é com cartão, o que acaba com aquelas tretas de mesa grande. Ou seja, a gente se confraterniza etilicamente e continua todo mundo amigo no dia seguinte.

No Facebook do Centenário, a turma do armazém mandou o recado: hoje (quinta, 15) os clientes que estiverem por lá poderá experimentar possíveis petiscos do novo cardápio.

No sábado (17), a partir das 19h, tem discotecagem de vinil com o DJ Ari Falcão, de Olinda, tocando clássicos do forró e outras brasilidades. Só pedrada boa. Couvert artístico: R$ 6.

Serviço
Armazém Centenário
Rua Barão de Itamaracá, 10 – Espinheiro
Terça a quinta, das 17h a 1h
Sexta e sábado, das 12h às 2h
Domingos, das 12h às 18h
(81) 99172-4344