Hoje venho compartilhar no PorAqui mais uma história de pessoas do bairro no nosso Álbum de Figurinhas. Lidiane Nascimento de Oliveira tem 36 anos e, há 11, é casada com Marcos André Lino do Nascimento.

Há cinco anos, o casal instalou a Só Pátina na Av. João de Barros. Na loja-atelier-oficina, eles produzem móveis e objetos de decoração utilizando, principalmente, a pátina como recurso/ técnica.

Além de vender as peças que produzem, consertam, renovam ou recuperam outras trazidas por clientes e ainda aceitam encomendas.

Eles são pais de João e Pedro, que estuda no Colégio Terceiro Milênio/Objetivo e pratica Jiu Jitsu na Academia Xeleco Sukata BJJ, ambos no Espinheiro. Eles moram no Bairro de Águas Compridas, em Olinda, mas passam tanto tempo aqui no bairro que a própria Lidiane brinca que só vai em casa “de visita”.

foto de peças em coração feitas pela Só Patina
A Só Patina, além de reformar e construir, aceita encomendas (foto: divulgação/Só Patina)

Mas a relação com o Espinheiro é muito mais antiga do que isso. Lidiane é filha de Seu Eraldo Carlos e, com certeza, uma grande parte dos moradores do bairro conhece ou, pelo menos, sabe de quem se trata.

Seu Eraldo trabalha do outro lado da Av. João de Barros, próximo ao viaduto da Agamenon Magalhães (vizinho à Casa Wildice) e já consertou móveis de todo morador da Zona Norte que tenha guardado algum apego por aquelas antiguidades da avó ou que um dia desejou restaurar aquela relíquia que garimpou em brechó.

Para se ter ideia, era ele quem restaurava os móveis e objetos do Palácio do Campo das Princesas e dos palacetes de muitos políticos. E foi imersa nesse universo que Lidiane começou.

OUTRAS FIGURINHAS DO ÁLBUM:

O gari Luiz é o “pirata” às avessas do Espinheiro há mais de uma década

Eles picharam a parede toda da loja e a dona agradeceu

#OEspinheiroTemdeTudo

Ela nem se lembra de quando, mas conta que o pai abriu uma loja na Av. Santos Dumont para vender as antiguidades e colocou Lidiane à frente da loja. Na época, ela tinha apenas 13 anos, mas já sabia o valor de preservar uma tradição.

Mais tarde, migraram como oficina para a Rua 48, onde permaneceram por um bom período até chegarem ao endereço atual, onde ela e Marcos mesclam as funções de loja e atelier.

Os produtos da Só Pátina estão expostos também no Espaço Mercatto e o casal planeja novas parcerias em outros espaços coletivos, como a Wunderbar e a EVStore.

Pessoas podem levar seus móveis para serem recuperados na loja
(Foto: Divulgação/Só Pátina)

O sonho para um futuro próximo é “promover oficinas e passar adiante um pouco do que sabemos”. E não se trata de produzir objetos de decoração por causa de uma tendência de moda. A restauração traz uma postura de sustentabilidade, valoriza e preserva madeiras, estilos e processos que não existem mais.

Em outras palavras: Repensar o consumo, Reutilizar a peça, Reaproveitar os pedaços, Reciclar o material, Reduzir o descarte.

A pátina, por sua vez – que nasceu da oxidação do cobre formando uma superfície esverdeada chamada de azinhavre, – é a técnica de reproduzir esse envelhecimento numa peça simulando a ação do tempo. E, nesse processo, conferir-lhe valor, respeito, tradição.

Pensar que, ainda por cima, num movimento de DIY (Do It Yourself – Faça Você Mesmo), dá para transformar uma oficina em terapia, é um convite. Então aguardem!

Só Pátina (Lidiane e Marcos)
Av. João de Barros, 1718
Próximo à Rua Conselheiro Portela
Fone: (81) 3427.5671