“A constelação sistêmica permite o esclarecimento sobre os emaranhados familiares e o encontro com suas causas raízes , permitindo o estabelecimento de uma nova ordem favorável ao amor e a harmonia nas relações”, explica texto do Constelar – Instituto de Práticas Sistêmicas do Brasil.

Em muitas rodas de conversa, já se toca no assunto constelação. Mas a prática desenvolvida pelo alemão Bert Hellinger ainda é pouco conhecida em Pernambuco, apesar de já ter sido até reportagem do programa Fantástico, da TV Globo. Esse texto vai contar resumidamente a experiência de um leigo no Instituto Constelar, sem entrar em detalhes que toquem na intimidade das pessoas.

Foto: Divulgação/Constelar

Quem indicou que eu fizesse uma constelação foi o advogado Cláudio Córdola. Estudioso do assunto, ele me contou que alguns tribunais até já aceitam a técnica como forma de contribuir na resolução de casos, especialmente buscando a conciliação em casos jurídicos.

Primeiro fui assistir uma sessão de constelação sistêmica (feita em grupo) no Instituto Constelar e mais recentemente participei de outra, em que efetivamente tive a experiência de colocar um tema da minha vida (e da minha família) para ser representado.

Na noite e na manhã de sábado em que estive na casa da Tamarineira, foram discutidos temas diversos como depressão, separação de um casal, morte precoce, inventário, sucessão em empresas e dificuldade na socialização.

Não vamos entrar em detalhes de nenhum dos casos, pois uma das maiores preocupações do Instituto Constelar é justamente que as pessoas que participam das sessões conjuntas não exponham as situações assistidas na sala fechada. Mas o que ocorre em resumo basicamente é que uma consteladora ou constelador recebe algumas pistas de uma situação que está causando problemas. Então, começa a formar com as pessoas presentes uma imagem que represente a questão.

Por exemplo, colocar um homem e uma mulher de frente para encarar a situação de um casal, que vem tendo problemas no seu relacionamento. Os visitantes recebem nomes e passam a representar personagens da vida de quem está sendo constelado, que fica sentado ao lado da consteladora e em alguns casos chega a assumir sua própria posição na representação.

Não dá para deixar de pensar que há uma proximidade com religiões como o espiritismo, candomblé e  umbanda. Mas a verdade é que muita gente tem saído das sessões com boas dicas para a vida. Eu fui uma pessoa que saí com muitas informações que não tinha e com o espírito renovado para encarar alguns desafios familiares.

Constelar – Instituto de Práticas Sistêmicas do Brasil
Rua Neto Mendonça, 97, Tamarineira
Fone: 98879-1290 (Necy)