Se você mora em Aldeia ou em qualquer outra área de Camaragibe, já deve ter visto outdoors ou ouvido falar do Programa Camaragibe da Paz. O PorAqui conversou com o secretário municipal de Segurança Cidadã e Mobilidade Urbana, Daniel Meira, para entender melhor como o programa funciona. Logo de cara, ele resumiu: “Queremos criar um ambiente de paz de forma colaborativa. Só vai funcionar se houver o envolvimento da comunidade”.

Professores e gestores de escolas participam de curso de ordem pública e segurança cidadã
Professores e gestores de escolas participam de curso de ordem pública e segurança cidadã

Criado no final do ano passado, o programa começa pela escuta da sociedade. Para isso foram criadas comissões com representantes de diversos segmentos da sociedade, que estão sendo chamados para construir um modelo prevencionista de segurança pública.

A comunidade, organizada, é quem deverá apontar que localidades são mais vulneráveis e de que forma o poder público deve chegar perto.

Preservar Aldeia é um dever de todos. Informe-se e denuncie!

Segundo o secretário, “empoderar as comunidades” vai ser o grande legado do programa, pois “é preciso que os cidadãos saibam dialogar com os governantes que elegem”.

E mais: “Não se resolve nada só prendendo os delinquentes. É preciso que as políticas públicas estejam dentro das comunidades”, destacou.

Guarda Municipal

Um dos pontos mais importantes do programa é a participação da Guarda Civil Municipal, que deixará de fazer a vigilância patrimonial para atuar no patrulhamento preventivo. “Nossa guarda será armada, de forma gradativa e à medida que for sendo treinada para isso. Queremos que eles andem nas ruas, interajam com a população, sejam parceiros dos moradores. Com isso, e com uma rede ostensiva de segurança que estamos criando, com os Núcleos Integrados de Segurança Cidadã (Niscs), e com o videomonitoramento (já temos 90 câmeras espalhadas pelo município), vamos conseguir trazer paz para Camaragibe”, disse Meira.

A metodologia empregada no programa foi criada pelo coronel Júlio César Costa, do Espírito Santo, criador da Polícia Comunitária e contratado para implementar o conceito em Camaragibe.

Está centrada em três eixos: salubridade, segurança e tranquilidade, e segundo ela, o poder público deve zelar pelos serviços que tragam dignidade humana às comunidades, por meio de ações como iluminação das ruas, calçamento, adequação da infraestrutura urbana e dos equipamentos municipais em favor da comunidade e oferta de transporte público de qualidade.

O Programa tem uma página no Facebook onde todos podem interagir deixando sugestões, críticas e comentários que ajudem a construir um ambiente de paz em Camaragibe.