Preguiças, pacas, tatus, quatis, capivaras, saguins… é grande a variedade de animais silvestres que vivem nas matas da Área de Proteção Ambiental APA Aldeia-Beberibe.

Em épocas festivas, como São João, Ano Novo e Copa do Mundo, em que as pessoas têm hábito de soltar fogos de artifício, são grandes os danos sofridos por esses animais. Quando não por abandonarem seus filhotes ou sofrerem problemas cardíacos ou de audição, por atropelamento ou até mesmo choque elétrico durante a fuga.

Dois biólogos e muitas histórias de dedicação para contar

“O problema é muito sério porque os animais já têm seus locais de habitat nas matas, locais que são seus dormitórios e onde encontram seus alimentos, e quando fogem assustados perdem essas referências e muitas vezes deixam seus filhotes desprotegidos”, explica Yuri Valença, biólogo do Cetas Tangara, da CPRH, que funciona em Aldeia.

Os animais domésticos também sofrem muito com o som dos fogos
Os animais domésticos também sofrem muito com o som dos fogos

Segundo ele, os fogos são tão assustadores para os animais, sejam domésticos, sejam silvestres, que são usados por empreendimentos imobiliários como forma de afugentar os animais quando querem desocupar uma área para construir. Grande parte deles foge assustada, e uma pequena parte se acostuma com os sons, o que também é um problema.

“O som dos fogos, similar ao de tiros, é capaz de deixar surdos os animais mais sensíveis ou até matar os mais estressados – especialmente as presas – de ataque cardíaco.

Quando o barulho é repetitivo, alguns acabam se acostumando, mas isso também é muito perigoso porque quando eles perdem o medo ficam mais suscetíveis a caçadores, já que não vão se assustar com o tiro”, alerta o biólogo.

Ou seja, se for curtir as festas juninas ou os jogos da Copa do Mundo em áreas de mata, como Aldeia, evite soltar fogos que fazem barulhos. A natureza agradece! ????????