Escondidinha numa rua do Oitenta, em Aldeia, tem uma casa de dois andares onde “nascem”, em média, 15 bebês reborn por mês. Não conhece ainda os reborn? São bonecas feitas em vinil siliconado imitando, com impressionante realismo, bebês de verdade.

De tão perfeitos, os bebês chamam a atenção por onde passam e, geralmente, quem tem um reborn o trata como se fosse gente, comprando roupinhas, adereços e até berços e carrinhos para tornar a experiência ainda mais real.

Vera ninando uma de suas paixões
Vera com uma reborn. Detalhe: mãozinha agarrando a roupa da mãe

Vera Emerenciano é a “cegonha” de Aldeia. Assim são chamadas as pessoas que confeccionam as bonecas, a partir de peças (cabeças, corpos e membros) importadas que recebem várias camadas de tinta e vão ao forno diversas vezes até atingirem a tonalidade de cor mais realista possível.

O trabalho, para deixar um bebê pronto, pode levar dias e inclui o desenho das veias, a impressão de que há sangue circulando pelos corpinhos, sinais de vacina e de nascença, implante de cabelo fio por fio, entre outros detalhes que dão ao produto uma aparência que encanta tanto adultos quanto crianças.

As bonecas têm enchimento de pó de granito e fibra sintética, o que lhes dá o peso de bebês de verdade.

Moldes de vinil siliconado importado
Moldes de vinil siliconado importado

“Me apaixonei pelas bebês reborn assim que comecei a pesquisar a respeito delas, depois de ter visto umas numa loja de roupinha para recém-nascidos. Isso só faz dois anos, mas a paixão foi tão avassaladora que uni um dom que considero divino ao esforço de me capacitar – já fiz vários cursos e pretendo continuar me atualizando. Hoje tenho uma clientela no Brasil inteiro”, conta Vera, que já pretende treinar algumas pessoas para ajudá-la na produção.

No vídeo, Vera ensina como pintar as veias da cabeça de um bebê reborn:

Dona Vela Patchwork: um produto fofo para cada ocasião

Segundo ela, crianças caem de amores pelos bebês, mas as mães, também. Há muitos casos de mulheres que voltam para comprar para elas depois de terem comprado para as filhas, porque não resistem. Há também mulheres maduras que, depois que os filhos vão embora de casa, querem um bebê para ocupar o “ninho vazio”.

Vera conta que só não aceita pedidos de mães que perderam os filhos e querem uma reprodução da imagem deles – o que é muito comum. “Quero que meus bebês tragam somente alegria, não tristeza”, declara.

Os corpinhos podem ser de silicone ou tecido
Os corpinhos podem ser de silicone ou tecido

Com milhares de seguidoras no Instagram, a marca dela é Bebê Reborn Artes e ela diz que já não dá conta de tantos pedidos. Isso porque as bonecas não são exatamente um produto barato! Custam entre R$ 799 e R$ 2 mil, pois além de serem obras de arte, utilizam materiais que vêm dos Estados Unidos.

“Só de imposto de importação pagamos uma taxa de 60%. E imagine que somente um potinho com 8 gramas da tinta que usamos para pintar os bebês custa R$ 60”, detalha.

A "incubadora", onde Vera Emerenciano estoca os moldes
A “incubadora”, onde Vera Emerenciano estoca os moldes

Fã Clube

Os fãs de bebês reborn chegam a ser tão apaixonados que até protagonizam cenas hilariantes. Basta procurar no youtube vídeos dos momentos em que meninas recebem suas caixas com os bebês e enxovais. São imagens de gritaria, declarações de amor, beijos e abraços, choros… difícil conter a emoção, afinal, são como partos!

Os bebês chegam com certidões de nascimento, teste do pezinho e um monte de acessórios fofos para as “mamães” se divertirem. Assista o vídeo da youtuber mirim Júlia Flamini recebendo um bebê em sua casa no Canadá.

Os bebês de Vera Emerenciano chegam às clientes com duas versões de enxovais: luxo e super luxo. Isso inclui roupinhas, sapatinhos, lacinhos, mamadeiras com leite falso, chupeta com ímã, manta, sling, manual de cuidados, brinco, pulseira, chocalho e fraldas, entre outros mimos.

História

Postagem sobre as primeiras bonecas reborn
Postagem sobre as primeiras bonecas reborn

As bebês reborn nasceram, segundo registros históricos, durante a Grande Guerra, quando mulheres inglesas começaram a reformar brinquedos dos filhos para amenizar o sofrimento e tornar a vida um pouco menos triste para os pequenos. As bonecas ganhavam nova vida, daí a expressão “reborn” ou “newborn”, se tornando mais realistas, com detalhes como veias, saliva, unhas e cílios.

Depois da guerra a técnica ganhou o mundo e de lá pra cá tem angariado muitos admiradores.

Para conhecer melhor os bebês reborn, entre em contato com Vera Emerenciano (081) 99771-7042 ou dê uma olhadinha no Instagram dela. Você vai se apaixonar!

Tem alguma sugestão de pauta para o PorAqui Aldeia? Compartilha aqui!