Bem em frente ao bar Zé do Mé, no km 9,5, o Coisas do Rancho chegou disposto a ganhar mercado não só como mercearia de produtos do interior, mas também como opção de uma bebida gelada e um saboroso tira-gosto a partir do anoitecer.

À frente do negócio, o jovem Pablo Sérgio Vieira da Cunha, de 21 anos, é filho e neto de comerciantes de São Lourenço da Mata e está empolgado com a nova empresa. “Está sendo bem cansativo, já saí daqui às 3h30 da manhã tendo que voltar cedo para abrir a loja, mas o esforço compensa. Estou dando carga total”, conta.

Pablo, que tem como sócio o empresário do ramo de laticínios, Laurindo Oliveira, conta que consegue praticar os melhores preços das redondezas porque tem fornecedores antigos, que já trabalham com a família há muito tempo.

Na loja ele vende peixes, crustáceos, picanha, carne de sol, queijos, manteiga de garrafa e embutidos.

Pablo
Pablo está otimista com o movimento. Foto: Tatiana Portela

A loja é, na verdade, um contêiner reformado e expandido com um terraço que, de quinta a domingo, se transforma em barzinho.

Funcionando há pouco tempo – foi inaugurado na Semana Santa – o Coisas do Rancho tem chamado a atenção do público especialmente pelos preços praticados.

Um prato de camarão ao alho e óleo, por exemplo, custa R$ 30 e a porção servida tem 500g de camarão. Um pratinho de linguiça de bode sai a R$ 20 e de galinha guisada com fava a R$ 25.

Na parte de trás do contêiner há uma grande área com uma árvore frondosa no centro que, segundo Pablo, servirá também como bar para as pessoas que chegarem a cavalo e quiserem ficar se refrescando na sombra.

“O que queremos é oferecer um ambiente simples e confortável ao mesmo tempo. E optamos por ter pouco lucro, mas uma alta rotatividade de clientes”, resume ele.

O local abre às 8h de terça a domingo, mas o bar só funciona de quinta a domingo a partir das 16h até o último cliente.