A terapeuta, educadora e especialista em Comunicação Não Violenta Maristela Lima será a facilitadora de uma vivência chamada “Cultivando o Cuidado na Maternagem”, que acontece neste sábado (30) no Espaço Shalon, no km 6 de Aldeia. Nesta entrevista exclusiva, ela fala sobre o tema:

4 gestações e 500 nascimentos depois, doula diz que parir é empoderador

Maristela Lima é mãe, terapeuta, educadora e especialista no assunto
Maristela Lima é mãe, terapeuta, educadora e especialista no assunto

Qual a origem da técnica?

A Comunicação Não-Violenta é muito mais do que uma simples técnica: é um caminho para co-criarmos relações mais sustentáveis no nível interpessoal, intrapessoal e sistêmico – com potencial de trazer transformações profundas para todos os envolvidos.

Surgiu nos anos 1960, iniciada pelas pesquisas e experiências do psicólogo estadunidense Marshall Rosenberg, e tem sido desenvolvida desde então como uma importante abordagem para restaurar relações e mediar conflitos, desde situações familiares até entre nações em guerra.

Como você se interessou por este caminho?

Em 2010, ao voltar de uma imersão de quatro dias em Comunicação Não-Violenta, percebei diferenças imensas na maneira como passei a me relacionar com as outras pessoas e comigo mesma. E percebi que isso era o que eu desejava para minha vida, tanto para o meu entorno familiar e social quanto num nível mais amplo.

Decidi me aprofundar no assunto e, desde então, tenho participado de inúmeras vivências e formações no Brasil, na França, na Suíça e na Índia. Partilho minhas descobertas e experiências neste caminho desde 2012 e há três anos, com o nascimento de meu filho, meu foco tem sido as relações familiares, sobretudo a relação mãe/filho e o autocuidado na maternagem.

Quais benefícios traz e quais são as contra-indicações?

A Comunicação Não-Violenta nos apoia a resgatar nossa potência através do diálogo e da empatia, estimulando o desenvolvimento de competências relacionais e emocionais necessárias para transformar potenciais conflitos em momentos de fortalecimento das relações, mesmo diante de situações e comportamentos desafiadores. Assim, promove a redescoberta da cooperação, visando cuidar das necessidades de todas as pessoas envolvidas.

Desta forma, a Comunicação Não-Violenta nos apoia a fortalecer os vínculos, criar ou aumentar a conexão e pautar nossas relações – familiares e sociais – em valores que estão a serviço da vida: o amor, a empatia, a paz, a justiça, o respeito.

É contra-indicada apenas para quem deseja continuar compactuando com o sistema opressor, dominador e patriarcal vigente na maioria das sociedades ocidentais, que tantos males tem causado à vida de todas as pessoas e do planeta.

Quando as pessoas precisam buscar conhecimento sobre o tema?

Sempre que desejarem viver alinhadas com os princípios que servem à vida e trazer isso para a prática cotidiana. Sempre que estiverem dispostas a co-criar relações significativas e verdadeiras. Sempre que quiserem ser a mudança que desejam ver no mundo.

Cultivando o Cuidado na Maternagem
Sábado, 30/6 às 9h30
Espaço Shalon, Estrada Chã da Peroba, km 6 da Estrada de Aldeia
Valor: R$ 234
Inscrições e informações: (081) 98250-0243 (Brisa) e (081) 99534-8348 (Juanna) ou pelo Facebook: Maternagem a Luz da Comunicação Não Violenta.