François Moïse Bamba nasceu no pouco conhecido Burquina Faso (Terra dos Homens Íntegros), país africano colonizado pela França onde a arte de contar histórias é considerada ainda hoje “a verdadeira escola da vida”. É pelos contos que a cultura burquinesa sobrevive e dissemina, através das gerações, seus valores e tradições. O ator e contador de histórias roda o mundo mostrando um pouco dessa cultura de oralidade e estará em Aldeia, no domingo 2, para uma experiência bem diferente.

François Bamba diz que só na hora sabe o que vai contar
François Bamba diz que só na hora decide o que vai contar

Leia também:

Que tal um retiro em Aldeia com constelação sistêmica e arte-terapia? 

Projeto de Circo Social em Aldeia precisa de ajuda da sociedade

Passeio contado

Segundo sua produtora e intérprete Laura Tamiana, que também é artista e interage com ele em cena, durante o tour de 50 dias pelo Brasil, o ator participará de oficinas em Recife e Olinda, mas a proposta da vivência em Aldeia será única. Em contato direto com a natureza, os participantes (máximo de 20) farão um passeio contado pela mata do Clube de Campo Sete Casuarinas.

“Faremos uma caminhada com banho de bica e ao longo do trajeto vamos parando e ouvindo as histórias contadas por François”, explica Laura. As histórias, segundo ela, não têm um roteiro predefinido. “Ele escolhe os contos na hora, de acordo com o sentimento e a energia do grupo”.

Improviso

O próprio François explica: “Não posso saber antes o que vou contar, porque pra mim são momentos de troca, de conversa… Preciso ver o público, sentir o público. Nesse momento, os contos se posicionam no meu espírito, na minha boca, com uma maneira de dizê-los… E é o que traz uma fineza nas minhas palavras e faz com que as palavras que vem do meu pequenino vilarejo de Oulonkoto, nas profundezas do Burkina Faso, toquem pessoas no Brasil… pessoas de toda parte”.

Na parte da tarde, após o almoço, haverá um bate-papo sobre o papel da oralidade na educação, se encerrando por volta das 17h. Quem tiver interesse em participar deve ligar para a arte-terapeuta Ana Luiza Rêgo, pelo telefone (081) 99961-1423. Será cobrada uma taxa de participação.