A colaboradora Mila Portela é jornalista, vice-presidente do Fórum Socioambiental de Aldeia e moradora de Aldeia*

Fenômeno que atinge cada vez mais pessoas, a perturbação do sossego tem seu lado positivo: a formação de grupos que lutam pelos seus direitos e que insistem até que eles sejam conquistados. Em Pernambuco, temos diversos exemplos, como o do Carnaval de Boa Viagem, o do Poço da Panela, o da Arena Porto, em Ipojuca e, mais recentemente, o de Aldeia.

Aqui o Fórum Socioambiental de Aldeia luta atualmente pela não realização da terceira edição do megaevento Guaiamum Treloso Rural, prevista para o próximo dia 20 e com expectativa de público de nada mais que 9 mil pessoas dentro de uma Área de Proteção Ambiental (criada por decreto do ex-governador Eduardo Campos) e onde residem pelo menos 1500 pessoas num raio de 800 m dos gigantescos palcos do evento.

Na Avenida Boa Viagem, os trios-elétricos foram banidos já há alguns anos. No caso do Poço da Panela, coincidentemente a mesma festa, a do Guaiamum Treloso, foi também proibida através de um processo iniciado pela Associação dos Moradores do Poço junto ao Ministério Público de Pernambuco.

Banida do Poço, passou a incomodar Aldeia. A terceira edição do megaevento em área de proteção ambiental vem ainda maior, com mais de 20 atrações, e com uma grade que diz que os shows terminarão a 0h. Porém para os moradores do entorno que sofreram nos dois anos anteriores, esse horário é apenas de fachada, pois no ano passado anunciaram isso e terminaram às 2h30 da madrugada.

Fórum Socioambiental quer impedir Guaiamum Treloso em Aldeia

O evento se diz ecológico e sustentável. Como pode ser um acontecimento ecológico, se se baseia num dos maiores crimes ambientais, que é o da poluição sonora? O debate sobre a perturbação do sossego é muito importante para todos os moradores de Aldeia, afinal somos afetados de diversas formas, sejam festas, casas de eventos, instituições religiosas, etc.

É um dos temas mais comentados em grupos de Whatsapp, principalmente no Comunidade Conectada. Todo fim de semana nós, que fazemos parte dele, nos deparamos com reclamações sobre festas e eventos.

O Fórum Socioambiental de Aldeia está fazendo seu papel enquanto cumpridor de seu objetivo, que é atuar na defesa e proteção do meio ambiente, e o sossego é um direito que todos temos, incluindo aí a fauna, que diante de um evento poluidor como o Guaiamum Treloso sofrerá enormemente.

A luta contra o Guaiamum é emblemática, pois marca o começo de um movimento do FSaA em direção a uma melhor regulamentação no que diz respeito a eventos e locais de festas na região de Aldeia. Não é apenas no km 13, onde querem “perpetrar” esse crime de festa pseudoecológica.

Por ser uma APA, os cuidados com o meio ambiente deveriam ser multiplicados, pois apenas por este fato existem várias exigências legais em questões de proteção ambiental. Aldeia sempre foi considerada um refúgio de tranquilidade para quem escolheu morar no bairro. Assim como Olinda tem o Carnaval como seu cartão postal, Aldeia sempre teve o sossego como o seu.

Como li em alguma postagem no Facebook, porque esse evento não se translada para a Arena Pernambuco? Ali não estariam incomodando ninguém e ainda fariam o favor de movimentar uma estrutura gigantesca que vive ociosa. Ganharíamos todos: Aldeia e seus moradores (humanos, fauna e flora), produtores de eventos (que não deixariam de ganhar $$$) e o próprio Governo do Estado, que teria seu empreendimento sendo usado e gerando receita.

*Os conteúdos de autoria de colaboradores eventuais e fixos não refletem necessariamente as ideias ou opiniões do PorAqui. Somos uma rede que visa mostrar a pluralidade de bairros, histórias e pessoas.