Aqui vai uma lista com dez mulheres que foram mordidas pelo bichinho do desenho. Algumas foram atingidas quando crianças, outras já adultas. Mas o que elas têm em comum é o prazer em ilustrar e, principalmente, criar histórias em quadrinhos. Tem gente começando e já fazendo sucesso nas tirinhas que falam de situações do dia a dia e tem gente publicando romance com base em histórias reais e fictícias.

Algumas delas vão estar na Bienal Geek de Pernambuco. Dá uma conferida:

Roberta Cirne

Ilustração: Roberta Cirne

Roberta é pesquisadora, roteirista e desenhista de histórias em quadrinhos e coleciona prêmios e indicações ao longo da carreira. Ultimamente, tem se concentrado no lançamento da revista Sombras do Recife – em campanha no Catarse –, em que a história é contada pelas lendas e pelo folclore da cidade, misturando fatos reais e ficção. O projeto será lançado no dia 19 de maio, na Academia Pernambucana de Letras (APL) e estará presente também na Bienal Geek, no dia 26.

Janaína Esmeraldo

Ilustração: Janaína Esmeraldo

Janesmeraldo também desenha desde criança. Como muitas delas, sempre foi uma apaixonada pela Turma da Mônica. Ao conhecer quadrinistas independentes, foi percebendo que preferia o gênero autobiográfico e começou a publicar no seu blog.

Entre suas publicações, tem três zines independentes: Frutila, que é uma coletânea de quadrinhos autobiográficos com 60 páginas; Cosmo, uma história de amor futurista; e O Polegar de Ouro, que é uma história única e autobiográfica. Além disso, tem uma newsletter de quadrinhos chamada Cabelo-nuvem. Para este ano, pretende lançar sua quarta publicação.

Érika Ferreira

Ilustração: Erika Ferreira

Érika desenha desde criança, mas foi atraída por contar histórias em quadrinhos após conhecer os mangás, na adolescência. “Mas eu sempre me achava incapaz de realizar isso e só fiz histórias incompletas, que nunca divulguei”, conta. Hoje ela trabalha como artista de games e usa o tempo livre pra explorar o desejo de contar histórias através de quadrinhos.

Está desenvolvendo uma HQ autoral. “Ainda não dei um nome, mas enquanto ela não fica pronta, vou lançando fanzines curtos. Já fiz o zine Calçada, e, no Festival Internacional de Quadrinhos (FIQ) deste ano, vou levar mais um zine – Apelos – e outros quadrinhos de uma página”, explica. “São trabalhos mais experimentais e alguns com um contexto pessoal que eu tô gostando bastante de fazer”, completa.

Letícia Carvalho

Ilustração: Letícia Carvalho

Letícia sempre desenhou. “Eu gosto de fazer desenhos que passem informação. Às vezes a informação é o desenho em si, por exemplo, quando eu desenho mulheres negras de cabelo crespo volumoso, isso transmite uma informação sobre valorização daquela estética e representatividade”, comenta. “Mas existem informações ou sensações que precisam ser ditas, e as tirinhas cumprem muito bem esse papel”, completa.

Seus trabalhos são publicados na sua página no Facebook e no seu perfil no Instagram.

Sofia de Carvalho

Ilustração: Sofia de Carvalho

Sofia é ilustradora, começou a trabalhar com arte sequencial há um ano e já tem um zine lançado – Nós numa casca de noz – e está produzindo um romance gráfico. “No meu zine, eu brinco com conceitos de física para falar sobre relacionamentos que vivi”, explica.

“O romance é baseado em memórias gráficas, como prints de conversas de WhatsApp, Facebook, etc. Gosto muito de ficção científica, então acredito que esse tipo de temática seja bem recorrente no meu trabalho”, acrescenta.

Jacquie Lima

Ilustração: Jacquie Lima

Jacquie compõe o grupo Gatamarela com outras quatro artistas mulheres. O coletivo publica tirinhas no Facebook e no Instagram. Cada quadrinista tem seu personagem, que vive sua história independente. O personagem de Jacquie é trabalhado na simplicidade do dia a dia.

Ela trabalha como ilustradora e como concept art para desenhos animados. Na Bienal Geek, vai publicar uma HQ pela editora IMEP sobre a Revolução Pernambucana.

Rhebeca Morais

Ilustração: Rhebeca Morais

Rhebe, como assina no Instagram, Começou a desenhar em 2016, mas sempre foi leitora de quadrinhos. Seus primeiros trabalhos serão lançados na Bienal Geek. Serão três. Um zine chamado Café e Nanquim, com um compilado de tirinhas que fez desde que começou a desenhar. O outro zine se chama Aluada e será uma versão impressa desse quadrinho curto aqui. Além disso, ela está trabalhando em parceria com Fábio Paiva, onde faz as ilustrações do quadrinho que vai se chamar O rei e o príncipe e é inspirado no Pequeno Príncipe.

Amanda Aquino

Ilustração: Amanda Aquino

Amanda trabalha com games e animação, mas quando pode está sempre riscando uns quadrinhos. Em 2017, foi selecionada para participar do Artist’s Alley da CCXP, em São Paulo, onde lançou seu primeiro zine: Tutorial para fazer seu unicórnio. Neste ano, está correndo pra conseguir relançá-lo na Bienal Geek.

Clarissa Cabral

Ilustração: Clari Cabral

Clari, como assina no Instagram, trabalha com animação e já ilustrou o conto Decrescente, da revista Contos Malditos, volume 2. Participou também do Coletivo Mandíbula, que publica tirinhas feitas por mulheres, mas que está de despedida neste ano. Hoje está trabalhando no zine Garota Fantasma, mas sem data de publicação.

Giselle Rosa

Ilustração: Giselle Rosa

Também integrante do Gatamarela, ela assina como XL Rosa e, desde criança, sempre foi estimulada a desenhar. Mas começou a trabalhar com desenhos fazendo ilustrações para livros infantis. Lá conheceu as meninas do coletivo e entrou para os quadrinhos. “Quando eu resolvi investir um pouco nisso, desde a faculdade eu já fazia algumas coisinhas. Não mostrava pra ninguém”, conta.

Para ela, o Gatamarela foi uma oportunidade de a gente levar a coisa mais a sério. “Eu posso testar e saber como as pessoas podem reagir ao que eu tenho para falar. E tem sido uma experiência muito massa”, completa. No coletivo, ela flutua entre humor ácido e irônico e algo dramático pessoal.