Após receber indicações de leitores, fomos às ruas de Boa Viagem para dar uma conferida na situação das calçadas. Em um giro pelas avenidas Domingos Ferreira e Conselheiro Aguiar, a média geral é que os passeios oferecem muita dificuldade para quem tem mobilidade reduzida, com vários desníveis que dificultam a passagem de pessoas com cadeira de rodas, além de buracos.

Leia também

As aventuras de quem circula de cadeira de rodas por Boa Viagem e Pina

Precisamos falar sobre acessibilidade na Praia de Boa Viagem

Quando passamos para as ruas transversais, a situação se complica ainda mais, pois as calçadas são mais estreitas e, quando há poste o árvore instalada, o passeio fica comprometido.

Na Rua Sergio Henrique Cardim, a situação é piorada com a presença de lixo (foto: Geraldo Lélis/PorAqui)

Alguns dos pontos mais críticos encontrados foram na Rua Dr Vicente Gomes, na Av. Conselheiro Aguiar e na Rua Padre Carapuceiro. No primeiro, há um ponto em que a calçada é um aterrado de terra com brita. No segundo, no trecho próximo ao Edf. Holiday, tem esgoto estourado e buracos. Já no terceiro, o calçamento até é regular, mas há postes no meio do caminho.

“Isso aqui é uma nojeira. A gente tem que desviar da lama e, depois, do buraco”, reclama o senhor José Alves, que passa pela Av. Conselheiro Aguiar todos os dias, se referindo à calçada que nas proximidades do Edf. Holiday.

Outra via que precisa ser citada é a Rua dos Navegantes, que, mesmo onde há bom pavimento, o pedestre precisa fazer malabarismo para se equilibrar entre pedras, desníveis e até equipamentos de estabelecimentos comerciais, como é o caso desta foto.

Cuidados

Procurada, a Autarquia de Manutenção e Limpeza Urbana do Recife (Emlurb) destacou a Lei 16.890. Ela aponta que a manutenção das calçadas é de responsabilidade dos proprietários dos imóveis.

A cargo do poder público municipal, ficam as calçadas passeios públicos de edificações sob a administração da gestão municipal, além das frentes de água (rios, lagoas, canais e praias), dos canteiros centrais de vias, das praças, dos parques e de imóveis públicos municipais localizados em logradouros públicos.

Mesmo assim, a Prefeitura tem executado o Programa Calçada Legal, que prevê o benefício de 100 ruas em 260 km de calçadas requalificadas em toda a cidade. “O objetivo é privilegiar o caminhar, uma vez que mais de 70% da população do Recife usa transporte público ou se locomove a pé para casa, trabalho ou escola/faculdade”, afirma a nota.