Muito utilizada por pedestres e ciclistas desde a sua construção, a Ponte do Pina tem oferecido um perigo maior desde a inauguração da Via Mangue, em 2014. A reclamação é por conta da travessia da entrada da via expressa por onde passam muitos veículos, e as pessoas precisam disputar espaço com os carros e as motos.

"Mesmo a pessoa indo pela direita, a pista se amplia para a entrada da Via Mangue, aí fica brigando espaço com carro e ônibus. Já quase me envolvi com um ônibus, levei uma bela buzinada, mas não tinha para onde ir", conta o jornalista Vitor Roma, que passa com a bicicleta pelo trecho. 

"Ali como passa a ideia de via expressa, o povo não tem muita paciência", acrescenta.

Já Marcelo Lima, que vende acessórios para telefones celulares, passa pelo trecho sempre que vai ao Centro da Cidade comprar insumos. "Eu prefiro descer pela entrada do Shopping RioMar, para não sofrer acidentes. A gente tem de dar a volta pelo RioMar para depois sair de volta na Av. Herculano Bandeira", relata. "A gente tem que dar essa volta toda para evitar acidente", explica.

Outra reclamação dos ciclistas é com relação à violência e falta de policiamento. "Na saída para a Rua Tomé Gibson, temos uma grande área de escuridão devido à falta de iluminação de dois postes defeituosos", relata o agente de saúde Breno Costa.

A Autarquia de Trânsito e Transporte Urbano do Recife (CTTU) orienta que os ciclistas e pedestres utilizem os sinais instalados no Cabanga para acessar a Ponte do Pina pela calçada do lado esquerdo.


O jornal de bairro evoluiu. No PorAqui, você encontra estações de conteúdo hiperlocal e colaborativo.

Baixe agora o app gratuito e cadastre-se: Android e iOS

Sugestões e colaborações: boaviagem@poraqui.news e (81) 98173-9108 (WhatsApp)