A cobiça pelo terreno do antigo Aeroclube, no Pina, tem deixado a Comunidade do Bode em estado de alerta. O espaço possui 20 hectares e já teve um canteiro de obras instalado em 2016, mas as obras de um conjunto habitacional – promessa da Prefeitura do Recife – não foram iniciadas. Enquanto isso, na semana que passou foi lançado um movimento pedindo a construção de um parque verde no mesmo terreno.

A coordenação do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto em Pernambuco disse que tem questionado a Prefeitura sobre o andamento das unidades habitacionais. Ao PorAqui, a assessoria de imprensa da Autarquia de Urbanização do Recife (URB) afirmou que está estudando o projeto junto ao Instituto da Cidade Pelópidas Silveira (ICPS).

“A gente sabe que espaços públicos de convivência, como os parques, são essenciais, mas a gente defende que as pessoas tenham uma moradia digna. O déficit habitacional no Bode é muito grande, é uma das comunidades com maior quantidade de palafitas na cidade. O que mais pesa é a co-habitação, que são várias famílias dividindo o mesmo barraco”, comenta Severino Alves, coordenador do MTST no Estado.

Segundo a URB, o projeto inicial era de 108 unidades, mas pode aumentar para 400 ou 600, a depender do estudo. Com a análise, outra coisa que será averiguada é como será custeada a construção – se a Prefeitura bancaria a obra, se incluiria no programa Minha Casa, Minha Vida, ou ainda se conseguiria algum tipo de investimento.

“A gente pergunta e a Prefeitura não sabe dizer como está o estudo, muito menos o prazo. Eles podem construir de acordo com o projeto deles, e, se eles liberarem mais espaço, a gente pode conseguir a construção de outro conjunto através do Minha Casa, Minha Vida Entidades, no qual o MTST está credenciado”, explica Severino.

O coordenador do MTST também afirmou que este assunto estará na pauta das próximas reuniões de negociação sobre o terreno ocupado por famílias de pescadores, também no Bode. “Esta é a chance da Prefeitura regularizar a moradia de centenas de famílias que vivem em palafitas na comunidade”, diz.

“Se não for nesse terreno, vão acabar colocando essas famílias em outros bairros e isso vai prejudicar a subsistência deles, já que a maioria vive da pesca no mangue e no mar e de comércio e de serviços dentro e nos arredores da comunidade”, completa.

Sobre a possibilidade de um parque, a assessoria da URB afirmou que será também estudada como forma de ocupar o terreno. De acordo com o vereador Wanderson Florêncio, incentivador do projeto, a implantação do equipamento tem sido um apelo da população.

“Recebemos várias solicitações pelas redes sociais pedindo uma área verde em Boa Viagem, o que não aconteceu com a construção do Parque Dona Lindu. A Zona Sul do Recife quer, onde foi o Aeroclube, um parque semelhante ao Parque da Jaqueira”, comentou quando foi à tribuna da Câmara dos Vereadores anunciar o movimento. A ideia é a construção de um equipamento com a mesma área e características do parque da Zona Norte da cidade.

Perguntada sobre qual destino seria dado ao terreno, a Prefeitura do Recife ainda não se posicionou sobre o assunto.