Após rejeitar o auxílio de R$ 1.500 parcelado em três vezes, as famílias da Comunidade Pocotó ameaçadas de despejo indicaram um terreno para a Prefeitura do Recife reaver e realocá-las. Um novo encontro entre as partes ficou marcado para a próxima quinta-feira (28), na sede da administração municipal.

“Nós decidimos em assembleia e colocamos para a Prefeitura que aquela proposta de parcelas de R$ 500 só seria viável para as famílias se estivesse atrelada a algum terreno para que as famílias pudessem construir suas próprias moradias”, comentou o coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) em Pernambuco, Severino Júnior.

Os moradores inclusive já identificaram um terreno na região que está abandonado e o indicou para os representantes da Prefeitura. Como resposta, eles ouviram que a gestão vai apurar a situação do terreno e ver a possibilidade de reavê-lo, caso haja débitos do proprietário com a Prefeitura. A resposta disso será dada na reunião desta quinta (28).

Entenda

Cerca de 12 famílias da Comunidade Pocotó, que vivem em cima do Túnel Augusto Lucena, receberam a intimação judicial de ordem de despejo, só que conseguiram uma abertura para negociar com a Prefeitura do Recife. No primeiro encontro, ficou decidido que o risco de possível desabamento do túnel envolve também as famílias que se instalaram nas laterais.

Dessa forma, a negociação passou a ser com 42 famílias. No segundo encontro, a Prefeitura ofereceu um auxílio de R$ 1.500 parcelado em três vezes.

Os moradores pedem para não ser retirados ou para que haja a inclusão em algum projeto habitacional. Sobre a não retirada dos imóveis de cima do túnel, a Prefeitura é irredutível e argumenta que a cobertura do equipamento não suporta receber qualquer tipo de edificação. A administração municipal está baseada em laudos da Dircon e Defesa Civil.

A luta por moradia digna tem movimentado várias comunidades nos bairros do Pina e de Boa Viagem, como a Sítio dos Pescadores, que vem cobrando junto à Prefeitura a construção de um conjunto habitacional no terreno do antigo Aeroclube, no Pina.