Neste terceiro dia da série sobre o Mercado de Boa Viagem, vamos conhecer a história de João Vieira da Silva, o Seu João, para quem frequenta o local. Aos 79 anos, ele é um comerciante nato que já dedicou 64 anos às vendas. O homem que nunca teve sua carteira assinada é especialista em feiras livres e mercados.

Leia também
Mercado de Boa Viagem passa por repaginada para reconquistar clientela
Mercado de Boa Viagem: de conserto de sapatos a pet shop. Aqui tem de tudo

“Comecei com 15 anos, negociando numa feira no bairro do Caçote, depois fui para uma feira que hoje não existe mais em Areias e passei a negociar no Cais de Santa Rita. Lá eu tinha um bar. Quando cheguei aqui, há 35 anos, também era um bar, tinha até funcionário trabalhando para mim, mas com o tempo passando, meu lucro foi diminuindo e eu mudei para essa loja e trabalho sozinho com ajuda da minha filha”, conta orgulhoso Seu João.

O box de João é localizado na fachada do mercado que é virada para a Av. Domingos Ferreira. Lá ele comercializa todo tipo de utensílio do lar, como saco de pano, flanela, vassouras, espanadores, cestas, etc.

“O bom do mercado é isso. Você quer um cadarço? Vai no mercado. Quer um pedaço de cano? Vai no mercado. Essas coisas miúdas a gente encontra por aqui mesmo”, comenta.

Apesar da idade avançada, o comerciante abre sua loja, sem falta, de segunda a sábado, às 6h. “Queria parar de trabalhar para descansar um pouco, só não paro porque minha mulher está doente e eu preciso comprar remédios e pagar uma pessoa para cuidar dela”, desabafa.

“Mas eu sei que, se eu parar, vai ser pior para mim, porque eu já estou acostumado e, no dia que eu não tiver mais isso aqui, vai me fazer uma falta danada. Além de que eu não gosto de ficar em casa, não”, acrescentou ao passo que lembrou que tinha que preparar umas cestas para colocar à venda e encerrou a conversa.


O jornal de bairro evoluiu. No PorAqui, você encontra estações de conteúdo hiperlocal e colaborativo.

Baixe agora o app gratuito e cadastre-se: Android e iOS

Sugestões e colaborações: boaviagem@poraqui.news