São 13 anos de amor à primeira vista que José da Glória Duarte, 56 anos, sente pelo Recife. Ele, que nasceu no Algarve, em Portugal, e foi morar em Lisboa, sempre sentiu falta de uma praia e de uma pesca. Chegou a matar a vontade com algumas férias no Rio de Janeiro, mas, desde que veio à capital pernambucana, não quis mais sair de Boa Viagem.

Horácio das empanadas: um argentino que virou patrimônio da praia de Boa Viagem

É tanto que José, o Português, como é chamado na praia, arrumou um ponto na areia e, há 11 anos, instala sua barraca – Recanto do Português – em frente à esquina com a Rua Antonio Falcão. “Vim para cá há 13 anos e passei um mês de férias. Voltei para Portugal e, depois de um tempo, pedi demissão da empresa de telefonia que trabalhava e me mudei para cá”, conta.

Antes da padronização das barracas em um trecho, o Recanto do Português era todo caracterizado nas cores de Portugal (foto: Recanto do Português/Facebook)

“Cheguei aqui por uma casualidade. Já conhecia o Rio de Janeiro e uma amiga casou com um rapaz de Anápolis, em Goiás, e me chamou para passar as férias lá. Mas como a cidade não tem praia, eu fiquei uns dias apenas. Foi quando conheci uma moça que me falou do Recife, que tinha tudo o que eu queria: praia, sol, calor…”, explica.

Hoje o Português está totalmente integrado à cidade, o que nunca foi uma dificuldade para ele, e agora não vê a possibilidade de voltar para sua terra natal. “Eu não posso dizer que nunca mais voltarei a morar lá, mas eu não tenho vontade nenhuma de sair daqui”, afirma. “Lá, só férias”, completa.

5 mercados 24 horas em Boa Viagem

No Algarve, região Sul de Portugal, José tem dois filhos, a quem visita todos os anos, durante o inverno recifense. “Como é o tempo de chuva e baixo movimento na praia, eu passo um mês lá, visitando meus filhos”, diz.

Morando há 11 anos na Praia de Boa Viagem, José Duarte não se vê voltando para Portugal (foto: Recanto do Português/Facebook)

Com 11 anos na praia, José já viu de tudo. E viu principalmente uma transformação na orla. “Eu comecei aqui no tempo que a praia tinha movimento. Hoje em dia, mesmo no verão, só venho trabalhar no fim de semana, porque, de segunda a sexta-feira, não tem movimento”, lamenta.

Entre as reclamações, o Português contabiliza a falta de atrativos para os turistas na Avenida Boa Viagem, como os eventos que ocorriam na orla. Mesmo assim, ele comemora por ter uma clientela fiel. “Aqui eu conheço a maioria dos clientes, porque eles vêm com bastante frequência”.

Recanto do Português
Onde: Orla de Boa Viagem
Funcionamento: sábados e domingos
Telefone: (081) 98620-2066