O PorAqui inicia neste sábado (25) uma série falando sobre o Mercado de Boa Viagem, esse equipamento comercial tradicional do bairro e que oferece grande diversidade de produtos e serviços.

Leia também:
Mercado de Boa Viagem passa por repaginada para reconquistar clientela
Há 64 anos no comércio, Seu João Vieira é especialista em mercado público

Um local onde se pode encontrar lojas, serviços e gastronomia tudo pertinho um do outro, com estacionamento e dentro do bairro. Este post não é sobre um shopping center, e sim sobre o Mercado de Boa Viagem.

“Aqui, o cliente chega e encontra de tudo, principalmente serviços mais básicos, que não são encontrados nos shoppings, como conserto de sapatos, costureiras, oficina de bicicleta, chaveiro, encanador, pedreiro, serralheiro e até amolador de faca”, conta o síndico Neuzélio Barreto.

Além dos serviços citados por Neuzélio, pode-se encontrar também salões de beleza, pet shop, serviços de eletrônica, que vai desde conserto em telefones até em microondas. 

“Se quebrou um celular, pode vir aqui que se ajeita. Mas se precisa de material elétrico ou de encanamento também tem aqui. Aproveita e já compra umas frutas, uns queijos e por aí vai”, acrescenta o síndico.

Criado há mais de 60 anos pelo político que viria a ser governador de Pernambuco posteriormente, Sid Sampaio, o lugar tem cerca de 200 boxes e conta com boa variedade de produtos e serviços, que vão desde peixaria e frigorífico até sapataria, passando por mercearia, artesanato, bares, etc.

Localizado no coração de Boa Viagem, o mercado foi construído por Sid Sampaio em um terreno que lhe pertencia, mas, com o passar do tempo, o político que viria a ser governador do Estado e deputado federal resolveu repassar a posse dos boxes para cada um dos lojistas.

Alguns já têm a posse, outros aguardam a liberação por parte dos familiares de Sid, morto em 2010 com insuficiência pulmonar.

Enquanto não têm a posse de fato do local, os comerciantes vão vendendo seus produtos, como é o caso do equatoriano Miguel Montesdeoca, que chegou ao Recife há cinco anos e desde então se dedica a vender produtos de bomboniere e de cachaçaria.

“Aqui o clima é muito bom, consigo vender minhas cachaças tranquilamente”, comenta ao citar que o produto mais procurado é a cachaça orgânica Sanhaçu, seguida da Triunfo.

No entanto, o mercado convive com sérios problemas estruturais e já foi alvo de intimação do Ministério Público de Pernambuco. 


O jornal de bairro evoluiu. No PorAqui, você encontra estações de conteúdo hiperlocal e colaborativo.

Baixe agora o app gratuito e cadastre-se: Android e iOS

Sugestões e colaborações: boaviagem@poraqui.news