“Mudei para cá e fui contagiada por essa efervescência cultural de Pernambuco.” Foi assim que começou a relação de Sandra Paro com o Pina, lugar que ela escolheu para viver desde 1985. Em 1996, ela inaugurou o ateliê na Rua Barreiros, 31, no Pina, de onde partem obras em mosaico de diversos formatos, desde pequenos quadros até murais, como o que foi para o interior de São Paulo, de mais de 100 metros quadrados.

“Eu digo que o Pina é o Soho do Recife. Eu sou muito feliz de fazer parte deste bairro. Muitos dos movimentos artísticos e culturais passaram por aqui”, declara.

LEIA TAMBÉM:

De jornalista a marceneiro, como André Duarte mudou de ocupação e de vida

Nascida em São Paulo, a arquiteta se encontrou como artista quando já estava morando na capital pernambucana e passou a fortalecer ainda mais seus laços com o Pina e o Recife. “Eu sempre desenhei, fazia origami, mas tudo como distração. Até que um dia viajei para a Itália e lá me encontrei com o mosaico, e aí começou minha transformação como artista”, conta.

Entre a obra de Sandra, se vê tampos de mesa, pisos e artigos de decoração (foto: Geraldo Lélis/PorAqui)

Aos 21 anos, o ateliê coleciona a participação de moradores da Comunidade do Bode. Principalmente os jovens. “Quando tem trabalho grande a casa enche de jovens que vem para ajudar, e eu abro mesmo, que é para ensinar a arte para as pessoas”, afirma.

“Sempre chega uma avó ou uma mãe pedindo para deixar os filhos delas aqui, para eles não ficarem expostos às drogas e ao crime”, acrescenta. “O mosaico ensina às pessoas a organizarem suas vidas, porque exige planejamento”, completa.

Sob influência da veia arquitetônica que tem dentro dela, a obra de Sandra é pautada pela cidade, e isso é visto em vários equipamentos do próprio bairro do Pina, como em murais da Igreja Nossa Senhora do Rosário, na Av. Herculano Bandeira, e dos conjuntos habitacionais Via Mangue I, II e III. “Quando a gente estabelece uma relação de afetividade com a paisagem urbana, as pessoas têm uma tendência a cuidar dessas obras”, explica.

Mural de Sandra Paro decora conjuntos habitacionais no Pina (foto: divulgação)

Outro mote da obra de Sandra é a integração do sacro com o regional. “Eu adoro desenhar São Francisco. Agora mesmo, estou fazendo um quadro do santo rodeado de flores da caatinga, como coroa-de-frade”, diz. “Eu uso também o desenho de igrejas históricas do Recife e de Olinda, principalmente nas obras que mando para fora do país”, relata ao dizer que tem feito um trabalho de aproximação com a Organização das Nações Unidas (ONU).

“Das cinco cidades barrocas do Brasil, o Recife é a única que não é patrimônio cultural da humanidade, e eu não me conformo com isso”, revela.

São Francisco é personagem mais recorrente na obra de Sandra (foto: Geraldo Lélis/PorAqui)

O canal do ateliê com o exterior é uma parceria com artistas espanhóis, que promove intercâmbio de saberes. “Vamos fazer uma exposição em Salamanca pelos 800 anos da primeira universidade da Espanha. E vamos explorar a importância do povo judeu para a universidade, retratando várias cidades da Espanha e de Portugal até chegar ao Recife”, conta.

E é assim que, há 20 anos, Sandra Paro capitaneia a difusão da arte em mosaico no Estado. “Pernambuco é muito receptivo a qualquer manifestação cultural que apareça, e isso foi muito claro para mim quando eu comecei a trabalhar com o mosaico, que não era muito praticado por aqui”, encerra.