Um dos locais mais requisitados pelos cineastas, o Pina conta com dois filmes na programação do FestCine, que termina nesta sexta (8). Além do Superpina, a última sessão do evento vai contar com a exibição de Kibe Lanches, um documentário que conta a história de uma lanchonete especializada em culinária árabe na Av. Herculano Bandeira que promovia um evento quase que secreto e reunia pessoas do público LGBT às sextas-feiras nos anos 1980.

Será a estreia do documentário de 18 minutos feito a partir de depoimentos de frequentadores e do organizador, Luiz Ferreira de Araújo, mais conhecido como Barão. “Infelizmente era uma época em que as pessoas não tinham as facilidades que temos hoje para registrar os fatos. Mas nós colhemos depoimentos e fizemos um trabalho de edição que deixou o filme bacana”, conta o diretor Alexandre Figueirôa.

“Eu sempre tive curiosidade de contar a história de personagens LGBT e já fiz isso em outros trabalhos. Barão é um personagem que, nos anos 1980, quando ainda não existiam eventos dedicados ao público LGBT e numa época em que havia uma repressão silenciada, ele foi criando um público que estava disposto a ir para eventos desse tipo”, comenta.

Teaser: Kibe Lanches (Alexandre Figueirôa, 2017) from Deslumbramento on Vimeo.

O evento contava com  apresentações de transformistas e um desfile de rapazes. Os candidatos desfilavam primeiro vestidos e, no final, completamente nus. O concurso era conhecido como “As Rolinhas do Barão”, em referência ao proprietário do estabelecimento e o animador das festas.

“No fundo do bar, tinha um palco, e ele começou a fazer shows. Tinha pagode aos domingos, grupo de poesia em outro dia. Na sexta-feira, ele resolveu fazer uma noite LGBT e criou esse desfile de rapazes de roupa e sem roupa, jurados e tudo”, relata Alexandre. “A festa era frequentada praticamente pelas mesmas pessoas e começava à 0h”, completa.

Desfile de rapazes pelados ficou conhecido como As Rolinhas do Barão (foto: divulgação)

O filme é uma produção independente e só foi possível graças a contribuição do artista plástico e cabeleireiro Cristiano Artur; do coletivo Surto e Deslumbramento, sobretudo Chico Lacerda e André Antonio que contribuíram com o roteiro e a edição; dos cinegrafistas Sergio Dantas e Francisco Baccaro; e dos produtores Fernando de Albuquerque e Túlio Vasconcelos. Ele tem também o apoio da revista O Grito!.

A última sessão do FestCine, nesta sexta (8), começa às 20h.