Enquanto os amantes de futebol assistem ao sofrimento dos clubes profissionais do Recife, os mais antigos dos torcedores recordam o tempo em que o esporte era mais vistoso e enchia os olhos de quem ia aos mais humildes campos.

O bairro do Pina, por exemplo, respirou futebol por várias décadas, chegando a revelar vários jogadores para equipes profissionais. Os mais conhecidos deles foram o Centro Esportivo do Pina e o Expressinho.  O último, inclusive, chegou a conquistar a segunda divisão do Campeonato Pernambucano.

LEIA TAMBÉM

A Praia do Pina também tem seu Boca x River cheio de provocações

Das quadras de Piedade para a China: a saga de um jogador de futebol

O pesquisador Osvaldo Pereira relata em seu livro Histórias do Pina que os primeiros jogos no bairro aconteceram na década de 1910, nas areias da praia, entre os pescadores da colônia Z1 do Pina e os trabalhadores das oficinas do Porto.

Foram as oficinas que cederam o terreno e construíram o antigo campo do Centro Esportivo do Pina, cercado de blocos que sobraram das obras do porto. Osvaldo conta que a população pagava ingresso para assistir aos jogos amistosos e oficiais. “No final dos anos 1980, o antigo campo do Pina foi transferido para a beira do rio para dar lugar a um projeto habitacional popular”, conta a obra.

Além do Centro Esportivo do Pina e do Expressinho, existiram também Cruzeiro Futebol Clube, Oceania Futebol Clube, o Jangadeiro, o Olaria, o 11 da Conceição, o Atlas, o 11 da Paz, o 12 de Julho, o Colônia Z1 do Pina, o Juventus, o Arco, e o Combinado Futebol Clube.

“Os espaços de areial eram aproveitados como campos de treinamento. No local onde é hoje o Conjunto Pernambucano, existiu durante anos o campo do Olaria”, conta Osvaldo.

Expressinho do Pina chegou a vencer a Segunda Divisão do Estadual

Muitos desses clubes eram formados por vizinhos da mesma rua e, por isso, faziam referência ao nome da localidade. Alguns deles tinham sede própria e realizavam bailes dançantes para arrecadar dinheiro.

Cada time se apresentava em dois quadros, como se fossem duas equipes, mas mesmo assim tantas equipes não eram suficientes para abranger todos os peladeiros que moravam no bairro. A oferta de atletas era grande, o que aumentava a concorrência.

“Havia peneira pra selecionar jogadores, e tinha gente que fazia a preparação física pra quando chegasse o dia do teste”, relembra o aposentado Marcos Galvão.

O Centro Esportivo do Pina venceu o Campeonato Pernambucano Amador em 2017

Atualmente, desses citados, apenas o Centro Esportivo do Pina se mantém em atividade, chegando a ser campeão pernambucano amador em 2017.