Junho e julho foram dois meses intensos para João Lucas Reis, o pernambucano de apenas 18 anos, considerado a mais recente promessa do tênis brasileiro. Após a eliminação do individual em Rolland Garros, o tenista que, cresceu nas quadras do bairro de Boa Viagem, Zona Sul do Recife, levou o segundo lugar em duplas no Future, na Bélgica.

Na última sexta-feira (13), após uma ótima campanha, também como duo, foi eliminado da fase juvenil das quartas de final em Wimbledon.

Leia também:
Quem é o pernambucano de 18 anos em Roland Garros?

Venceu, ao lado do Matheus Pucinelli, as duas primeiras rodadas do torneio. Agora, segue para uma sequência de três Futures, que são torneios jogados por tenistas para ganhar títulos e crescer no ranking em quaisquer locais do mundo. Estônia, Lituânia e Letônia são os países que receberão o pernambucano.

Foto: João Pires/Fotojump

Passagem

Este é o último ano de João no juvenil. O planejamento, segundo Antonio Raimundo, seu pai, é fazer a transição para o profissional. Atualmente, o pernambucano ocupa a 46ª posição na ITF (Federação Internacional de Tênis) na categoria juvenil e, neste período migratório, conquistou o primeiro título profissional: o Future de Curitiba.

Na ocasião, surpreendeu ao derrotar favoritos como o sueco Christian Lindell e os brasileiros Rafael Matos e Thiago Wild.

A temporada na Europa será alternada entre torneios juvenis e profissionais da série ATP (Associação de Tenistas Profissionais). Até a primeira semana de agosto, João Lucas participará de 10 torneios.

História

O currículo de João é extenso e começou aos 4 anos de idade, influenciado pelo seu irmão mais velho. Jogava no Squash Tennis Center, no bairro de Boa Viagem, Zona Sul do Recife, onde morava. Com 10 anos, deu início a uma rotina de treinamento para atletas de alto rendimento.

Ainda muito jovem, passou por renomados treinadores, a exemplo de Davi Barros, que comanda as sucursais da Escolinha Guga e do Instituto Tênis. Recebeu, durante dois anos, as coordenadas do francês Didier Rayon.

João Lucas em Curitiba | Foto: João Pires/Fotojump

Em 2014, com apenas 13 anos, investiu mais intensamente depois de uma sucessão de jogos nos Estados Unidos e na América do Sul. Mudou-se para São Paulo e soma como atleta o Instituto Tênis.

Para chegar à situação atual, ainda adolescente João realizou feitos incríveis: foi campeão sul-americano e 4º colocado no Mundial pela pela Seleção Brasileira juvenil em 2014. Participou como convidado da Copa Davis, a maior competição de tênis por equipe do mundo.

Finalista sul-americano pela Seleção Brasileira em 2016, para o qual é convocado desde 2014. Acumula 8 títulos de campeão ITF Juvenil Simples e Duplas. E, pelo segundo ano, disputa os torneios Grand Slam da sua categoria.

João Lucas Reis da Silva rompeu muitas barreiras. Da idade, do Estado, brasileiras e mundiais, com apenas 18 anos.