Nesse verão, a gente chega na praia já pensando naquela cerveja gelada e em encarar aquele caldinho que não sabemos de onde vem. Fica sempre aquela dúvida se pode ou não confiar no vendedor. Seus problemas com caldinhos de praia acabaram. O PorAqui conversou com um frequentador nato da praia e consumidor número 1 de caldinho.

Pedro Dália, que mora à beira-mar, não perde um fim de semana e tem tudo catalogado. Tomamos ao todo, 19 caldinhos de fornecedores diferentes. Essa foi a quantidade encontrada entre as 10h e as 15h em frente ao Hotel Jangadeiro.

O guia das prévias de Carnaval do Recife e de Olinda ?

“Como viemos em um sábado pela manhã, a chance de ter um caldinho velho é quase nula”, comenta Pedro. “Mas é sempre bom pedir uma provinha antes de comprar. Se o caldinho tiver com algum gosto de vinagre no meio, corra, porque esse caldinho já tá estragado, foi colocado vinagre para disfarçar”, alerta.

Uma coisa é igual em todos: os acompanhamentos oferecidos, que são torresmo, charque, milho, ovo de codorna e azeitona. Outra dica é pedir para ver os acompanhamentos antes para poder decidir o que vai e o que não vai para o caldo. Nem todos apresentam torresmo e charque frescos. Alguns têm torresmo novo e charque velha, outros ao contrário. Sem contar que, em alguns, foi encontrada apenas a gordura da charque em vez da carne.

Dentre os caldinhos provados no dia da apuração, elegemos os 5 melhores. O que se viu entre a maioria dos caldinhos de feijão (único sabor provado e único em questão) foi a falta de tempero. Logo, os cinco indicados foram os que apresentaram um toque pessoal no preparo. “Na tentativa de agradar o maior número possível de clientes e também de economizar dinheiro, os fornecedores acabam não se arriscando nos temperos”, comenta Pedro.

Qual sua opinião sobre a praia de Boa Viagem? Estudantes da UFPE querem saber

Top 5 dos caldinhos 

Caldinho do Negão
Preparado em casa pela esposa de Edilson Gregório, o caldinho é encorpado na medida certa e bem temperado com paio e bacon. Os acompanhamentos são frescos (nem todos os concorrentes se apresentavam dessa forma), e outro diferencial é a charque, que vem desfiada e frita, como na boa e velha paçoca.

Anda entre a Padaria Boa Viagem e o Edf. Acaiaca.

Caldinho do Tiel
Um tanto encorpado e bem temperado levando bacon no preparo, o caldinho teve o torresmo fresco, porém a charque um pouco velha. É o próprio Tiel quem faz e comercializa na praia junto com três distribuidores.

A carroça fica nas proximidades da Padaria Boa Viagem, mas os vendedores circulam até o Edf. Acaiaca.

Caldinho do Xavier
Xavier faz e vende o próprio caldinho, que, por sinal, apresenta um sabor defumado em decorrência também do paio, da calabresa e do bacon.

Circula em frente ao Edf. Acaiaca, mas às vezes pode ser visto também em frente ao Hotel Jangadeiro.

Caldinho do Carlos
Apresentou um sabor marcante e um caldo encorpado. Os acompanhamentos também estavam novos. No dia, não tinha milho.

Circula entre a Padaria Boa Viagem e o Edf. Acaiaca.

Caldinho Miolo
Miolo trabalhou por décadas em uma padaria, onde aprendeu a fazer caldinhos. Há sete anos, comercializa na praia e usa muito bem o bacon e a calabresa para dar um gosto a mais no seu produto.

Circula entre o Edf. Acaiaca e a esquina com a Rua Antonio Falcão.