No Pina, Zona Sul do Recife, um projeto tem feito sucesso entre a criançada. O Esporte na Cidade, que atende a 100 meninas e meninos, entre sete e 17 anos, com escolinhas que oferecem aulas de iniciação esportiva, foi iniciado em outubro do ano passado. O objetivo é gerar oportunidade e educação para crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social.

LEIA TAMBÉM:

Livroteca Brincante leva crianças do Bode para além das leituras

Praticantes de esportes reclamam de violência e pouca iluminação na orla

3 lugares para jogar futebol no Pina e em Boa Viagem

O projeto é realizado pela organização não governamental De Peito Aberto, que recebe verba da Lei do Incentivo ao Esporte. As aulas são realizadas às terças e quintas-feiras, sempre no contraturno escolar. Para participar, o interessado precisa ter entre sete e 17 anos e se apresentar em um dia de aula para fazer a inscrição.

“O Esporte na Cidade chegou para estimular a prática esportiva e o lazer orientado das crianças da escola Solano Magalhães. A escola está localizada na comunidade do Pina, que tem pouca ou quase nenhuma oportunidade para a prática esportiva regular”, explica o coordenador da ONG no Nordeste, Hagmar Madeira.

“O projeto propõe elevar a autoestima da criançada e disponibiliza, além de material esportivo e uniforme completo com tênis, um profissional com formação em Educação Física para realizar as atividades três vezes por semana no contraturno escolar. O desporto educacional é uma grande oportunidade de inclusão e estamos muito satisfeitos com o desenvolvimento do projeto”, acrescenta.

Já o professor responsável pela turma, Eduardo Gomes, ressalta o interesse dos jovens em participar. “É bastante significativo, eles gostam de estar aqui praticando uma atividade. Uma prova é que quando, por algum motivo, não tem aula, no outro encontro, eles perguntam o porquê que não teve aula. Além disso, eles não ficam ociosos em casa, nem nas ruas”.

Com mais de seis anos de atividades, o Esporte na Cidade já atendeu mais de dez mil crianças e adolescentes de cidades dos Estados de Minas Gerais, Bahia e Pará. Toda a metodologia é desenvolvida por um profissional de educação física contratado pelo projeto.