Hoje com algumas boates em funcionamento, mas sem nenhuma que cause o burburinho geral entre a galera, o bairro de Boa Viagem viveu seu épocas de alta no mercado de casas noturnas. Há quem diga que o auge foi nos anos 1980. O PorAqui entrevistou o advogado Marco Rosati, nascido e criado na área, para contar um pouco como era.

“Cada uma teve seu momento de sucesso e ficava morgada quando abria outra. Sempre que abria uma boate nova, a galera migrava pra a mais nova, até pra conhecer também”, comenta.

O dia em que Ronald McDonald recebeu a chave do Recife

A primeira que Marco lembrou foi a Number One, que funcionava no térreo do Hotel Boa Viagem, perto da Pracinha. Essa fez sucesso até a chegada da Champanhe, no anexo do mesmo hotel.

“Na Number One, só podia entrar acompanhado. Eu nunca esqueci do dia em que um amigo meu foi barrado. Ele disse ‘tudo bem, vou buscar minha viúva’. E voltou com um Passat preto e enfiou o carro dentro da boate e foi embora de taxi”, recorda Rosati. “Esse episódio foi o comentário na galera por muitos dias”, acrescenta.

Abrigar boates no térreo ou no subsolo não foi exclusividade do Hotel Boa Viagem. O Vila Rica, também na Av. Boa Viagem, já teve a Inconfidente, e o Jangadeiro teve a Disco 34. “Essa recebia muitos jogadores de futebol, que moravam no bairro, e turistas, já que o Jangadeiro era o hotel mais novo e mais procurado na época”, comenta Marco.

Ponto turístico por 40 anos, Casa-Navio hoje é só história

Outro prédio que tinha uma boate no subsolo era Park Hotel, localizado na Rua dos Navegantes, entra o restaurante Chica Pitanga e a Pracinha de Boa Viagem. Lá funcionou uma franquia da Hipopotamus, do Rio de Janeiro. “Tinha também a Gaslight, que ficava no Hotel Miramar, que também fez muito sucesso”, lembra. Este hotel ainda abrigaria o Coluna Café, que agitou até o início dos anos 1990.

“Naquela época, era diferente de hoje. Não tinha área de fumante, por exemplo. Se a pessoa fosse passar uma noite numa boate daquela, até a cueca saía com cheiro de cigarro”, brinca Rosati, que ainda citou boates dos anos 2000. “Boa Viagem ainda teve a Nox, que eu não frequentava, mas sempre que passava por lá, ela tava cheia”, comenta.

Além da Nox, o bairro também lembra da Fashion Club, que agitou bastante no início dos anos 2000. Mas aí já era outra época.

“Desde que foi criada a Lei Seca, diminuiu bastante o público nas boates. Não pode ir de carro, que é perigoso, e pra voltar de taxi muitas vezes é complicado”, completa.

Lembrou de mais alguma boate entre os anos 1980 e 1990? Divide com a gente. ?