Antes de tudo eu preciso que vocês sintonizem na playlist de Brega das Antigas pra gente poder começar a conversar sobre essa peça chamada Ritmo Kente – Um Brega de Musicalque está em cartaz no Teatro Eva Hertz, na Livraria Cultura do Shopping RioMar.

Se você é recifense de raiz, sabe de quais música eu tô falando, mas se você não é pernambucano, me desculpe e trate de ir ouvindo a playlist enquanto lê:

Dito isso, preciso confessar algo: não nasci no Recife. Eu sei, eu sei, zombei de quem não era nascido em Pernambuco, mas tenho uma desculpa boa: moro aqui desde meus 5 anos de idade e, na realidade, sou pernambucana. Meu amor pelo carnaval, meu sotaque arrastado e minha paixão pelo Recife Antigo não negam isso.

Mas meus pais são paulistas e por isso cresci ouvindo o Zezé di Camargo & Luciano, Só pra Contrariar, Zeca Pagodinho e adjacentes. A cultura sulista sempre predominou lá em casa. No entanto, isso nunca foi motivo para que eu deixasse de ouvir as músicas daqui. Nisso a escola me ajudou muito e, claro, meus vizinhos queridos.

Batalha de MCs mirim é estímulo à leitura entre crianças do Bode

Lembro das manhã dos fins de semana em que os vizinhos colocavam Kelvis Duran tocando nas alturas. Foi assim que conheci a Companhia do Calypso. E depois Vício Louco, e depois Musa do Calypso, e depois Banda Sedutora, e…

Até que essas mesmas músicas invadiram minhas tardes nos programas de TV entre os desenhos e depois, já adolescente, começaram a ser parte das festinhas que eu frequentava. Quando dei por mim, essas músicas já eram parte da minha formação cultural enquanto recifense, e eu já sabia cantá-las de A a Z.

Ritmo Kente – Um Brega de Musical me trouxe à tona tudo isso: minha paixão por esse lugar que eu escolhi pra chamar de minha cidade, minhas lembranças de infância e essa nostalgia gostosa que envolve essas duas coisas. O musical, que está na sua última semana em cartaz, passa pelos clássicos do ritmo, com direito a Reginaldo Rossi, chegando até os sucessos mais recentes dos (maravilhosos) MC Troinha e MC Sheldon.

Emicida traz releitura de Cartola ao Teatro RioMar

A história gira em torno do concurso da nova garota do MC Kivara. É uma comédia musical, com bom humor e muita interação com a plateia no nível de todo mundo fazer um coro cantando as músicas. Minha vontade foi de sair do teatro direto pra alguma festa temática na Mansão do Amor.

Eu tava ali atrás ? (foto: divulgação/Ritmo Kente)

Recentemente o professor da UFPE, Thiago Soares, lançou um livro fruto de uma pesquisa acadêmica sobre o brega e a cultura que o envolve. O livro Ninguém É Perfeito e A Vida é Assim se junta ao coro do musical Ritmo Kente e entra na dança com a lei publicada no Diário Oficial, no último dia 19 de setembro, que legitima o brega como uma das expressões artísticas genuinamente pernambucanas.

Agora o gênero passa a ter espaço garantido nas grades de eventos financiados pelo Executivo Estadual, ao lado de artistas de outras expressões pernambucanas como frevo, maracatu e coco.

O musical é mais uma razão pra gente demonstrar o orgulho da nossa terra e acabar de vez com essa discussão besta de se perguntar se brega é cultura. É da gente, é do povo e é cultura SIM.

? Ritmo Kente – Um Brega de Musical
? 13 e 14 de outubro
? Teatro Eva Hertz, Livraria Cultura do Shopping RioMar
⏰ 20h
? R$ 20 (meia-entrada) e R$ 40 (inteira)