Carnaval chega, e a gente vê sempre Boa Viagem de fora da festa. Mas nem sempre foi assim, e o PorAqui foi atrás de lembrar que o bairro já foi palco de folia. Na verdade, a beira-mar já foi o principal ponto de encontro na semana pré-carnavalesca do Recife.

Já usou o Castelinho como referência? Conheça a história do famoso prédio

Começava com o bloco da Parceria, que trazia inicialmente várias atrações baianas em trios elétricos no domingo, e a festa aos moldes do Recifolia seguia até a sexta-feira, véspera do Galo da Madrugada. Artistas locais de fora se alternavam entre os dias, sem cordão de isolamento.

“Eu ia todos os dias com meus filhos, mas os melhores dias eram a partir da quinta-feira, quando mais pessoas podiam participar”, recorda Christiane Pinheiro, moradora do bairro. “Tinha trio com Almir Rouche, com André Rio, Marrom Brasileiro e tinha também Asa de Águia, Chiclete com Banana, Banda Eva Ivete Sangalo era a vocalista. Era bom”, acrescenta.

Ponto turístico por 40 anos, Casa-Navio hoje é só história

Antes do formato da semana pré com trios elétricos, a Av. Boa Viagem já recebia desfiles de blocos de pau e corda e outros, como As Catraias, o Balança Rolha e o Birinight, todos sem trio. “Nessa época, também tinha desfiles durante o Carnaval em si, mas não era bom não, porque o pessoal sempre ia pra Olinda. Até os trios que vinham eram meio fracos”, comenta Christiane.

Os desfiles com trios elétricos à beira-mar tiveram fim no início dos anos 2000, quando a Prefeitura do Recife extinguiu também o Recifolia. “Primeiro, foram diminuindo os horários. Começava mais cedo e terminava mais cedo. Aí foi diminuindo também o público, porque as pessoas não podiam ir, porque estavam trabalhando”, lembra.

Com a retirada da semana pré, a Av. Boa Viagem ficou apenas com o desfile do bloco Camburão da Alegria, que diverte policiais militares que trabalharam durante os dias de Momo. No entanto, alguns anos depois este também foi retirado da beira-mar. “Na época, eu lamentei bastante, principalmente meus filhos. Mas ao mesmo tempo foi criada uma programação muito boa no Marco Zero”, conta.

“Eu sinto falta, com certeza. Eu acho que se for fazer uma pesquisa, será a maioria que vai concordar comigo”, finaliza a moradora do bairro.