Após 15 anos sem desfilar, a mulher mais famosa de Olinda volta a jogar todo o seu charme pelas ruas e avenidas da Cidade Alta. No dia 11 de fevereiro, sábado de Carnaval, a Mulher do Dia, segunda agremiação mais antiga de Olinda, retoma seu tradicional cortejo, saindo do Clube Atlântico às 15h.

Guia das prévias GRATUITAS no Recife e em Olinda ?

Até a hora da saída, a agremiação vai estar em festa com a Orquestra de Frevo Henrique Dias, as bandas A Favorita e Balanço Black, além do DJ Bregoso. Os ingressos custam R$ 60 open bar, incluindo cerveja, refrigerante, água, nevada, feijoada.

Além de realizar seu cortejo oficial e de aparecer no Encontro de Bonecos Gigantes, ela vai sair acompanhada da Orquestra Itinerante durante os quatro dias de Carnaval, em locais diferentes da Cidade Alta, que serão confirmados em breve.

Foto: acervo Mulher do Dia

Medindo 4 metros de altura e pesando 60 quilos, a Monalisa de Olinda, como é chamada pelos moradores da Cidade Alta, ganhou um banho de loja do artista plástico Sílvio Botelho e promete causar com sua nova aparência, sem abandonar a tradicional indumentária nas cores azul e amarela.

Segundo Israel Pereira, neto do fundador e atual presidente da agremiação, com o decorrer do tempo, chuva e sol, houve uma deterioração da boneca. Há anos vinham tentando restaurá-la, mas só agora conseguiram apoio da Prefeitura de Olinda.

“A gente ficava com medo de ir pra rua porque não sabíamos o que podia acontecer no meio do desfile, já que ela tinha muitas avarias, e era um material muito antigo que a gente não encontrava mais no mercado. Silvio Botelho conseguiu inová-la, mas mantendo suas características originais. Agora estamos despreocupados. Falta só ajeitar alguns detalhes daqui para o Carnaval”, explica.

Há quem diga que o verdadeiro motivo da Mulher ter ficado sem desfilar foi ela ter se separado do Homem da Meia-Noite, ficando escanteada e solitária. Mas segundo a assessoria de imprensa do Homem, o Calunga não é machista e defende que a mulher faz o que bem entender com o seu corpo.

A história

Tudo começou em 1967, quando alguns foliões de Olinda conversavam sobre o sucesso do Homem da Meia-Noite e alguém lembrou que ele precisava de uma mulher para sair da sua solidão. Logo, o carnavalesco Israel Pereira da Costa, conhecido como “Pinininho”, teve a ideia de criar uma companheira para ele, uma boneca bem grande, bonita e fogosa, dando-lhe o nome de Mulher do Dia.
Casamento da Mulher do Dia com o Homem da Meia Noite em 1967
Antigamente, a sede da Mulher do Dia era na Rua do Amparo até que os herdeiros precisaram vender o patrimônio e foram para o Bonsucesso, onde atualmente está a sede provisória. A ideia, segundo o atual herdeiro e presidente, é arrecadar recursos para montar a sede definitiva, onde será disponibilizada todo o acervo da calunga.
 Além disso, há um projeto para criar um aplicativo da Mulher do Dia, onde serão disponibilizados informações e curiosidades da agremiação, história e horário dos cortejos.