Pelo visto, no Carnaval 2018, o assédio não vai sair barato. (Você viu o post 4 dicas básicas para não ser um tabacudo no Carnaval?) Pelo menos três campanhas estão no ar, com o intuito de mostrar que o assédio começa depois que uma mulher diz “Não” e que não estamos sozinhas nessa!

Deixa Ela em Paz

O coletivo pernambucano apostou na sororidade para garantir um Carnaval mais seguro: “Sempre que puder, olhe ao redor e ofereça apoio a alguma mana que esteja precisando. E se precisar de ajuda, não hesite em procurar amparo em uma outra mulher”. Estarão sendo distribuídos adesivos no Recife, em Olinda e no Rio de Janeiro.

#AconteceuNoCarnaval

Mete a Colher, junto com Meu Recife, Minha Sampa e Catraca Livre, estão com uma campanha para mapear os casos de assédio no Carnaval do Recife, Olinda, São Paulo e Rio. Você pode enviar seu relato pelo site aconteceunocarnaval.org ou via WhatsApp, através do número (081) 99140-5869.

Serão distribuídas pulseirinhas da campanha durante o período. As denúncias devem ser feitas também pelo Centro de Atendimento à Mulher pelo número nacional 180.

Meta a colher: denuncie o assédio no Carnaval

Não é Não

Vários blocos de Pernambuco estão engajados na missão de distribuir tatuagens temporárias com a mensagem “Não é Não”. A campanha surgiu no Rio de Janeiro e estreia este ano por aqui. Essa Fada, Vaca Profana e Meu Recife estão engajados nessa.