O bloco mais “sujeira” em linha reta da América Latina completa 10 anos em 2018 saindo pelas ruas de Candeias, em Jaboatão dos Guararapes. Com sua saída marcada sempre para uma semana depois do Carnaval, o Sol Tá Massa não é do tipo convencional, que agrega as famílias tradicionais brasileiras.

De caráter quase sempre nostálgico, as letras abordam temas do imaginário coletivo do bairro e outras temáticas de caráter polêmico e sempre com um tom de ironia e sacarmo.

“Sair na rua e causar depois do Carnaval. Juntar as amigas e os amigos das antigas e tirar onda na Avenida Bernardo Vieira de Melo”, explica Renan Castro, fundador e organizador do bloco, sobre a ideia que impulsionou a brincadeira.

História

No início, em 2008, a história começou espontaneamente na rua. Alguns amigos, depois de beberem um grande número de cervejas, entraram num carro e foram das proximidades da Curva do Sesc até Barra de Jangada parodiando clássicos carnavalescos.

No ano seguinte, Iran Brasil, proprietário de um dos estúdios de música mais conhecidos da região, em Prazeres, emprestou sua anuncicleta, e os integrantes se revezaram nas pedaladas. Os veículos que carregaram o som sempre mudaram, e o grupo chegou a locar carros de som e até trios elétricos de médio porte, com investimento próprio, além da venda de camisas e souvenires.

Fred “Doido” e Renan Castro são compositores do bloco | Foto: André Soares

O bairro

“Quem mora em Candeias, não mora. Vive o bairro. Parece que nossas famílias tinham um histórico aqui muito antes de a gente nascer. Tudo em Candeias era só praia há menos de 30 anos. Talvez essa coisa de estar distante do Centro e perto do mar faça a gente pensar diferente, brincar diferente, falar diferente. Acho que o bloco traz um pouco dessa vontade de se assumir bairrista e escancarar as coisas. Gostamos de reggae, praia e futebol quando a maré tá seca”, revela Renan, que também participa como compositor e vocalista da banda Erva, que conduz a animação musical do bloco.

O Sol Tá Massa | Foto: Facebook

Entre os clássicos reinventados, a canção da globeleza é cantada em uníssono na versão candeiense: “Veeeeem chapar feliz (chapar feliz). A gente mora em Candeias e vamos justificar. Mas se tu é careta chupa o meu ovo. Ano que vem, venho de novo”. O bloco também não deixa a nostalgia do Carnaval baiano e subverte “Mila”, do cantor Netinho:

“Benzina, mil e uma noites que eu lombrei com você. Na praia do Paiva com o farol apagado e a galera pesando vendo a lombra passar. Fumando um Hollywood pra tentar disfarçar e os hôme chegando: “vamo nessa lavrar!”. Eu e você cheirando L.O”.

Estandarte do bloco | Foto: Facebook

Futuro

Ano passado o bloco não saiu, mas a direção é bem indireta e evasiva sobre o que vai acontecer. “O futuro a Newton Carneiro pertence. Temos questões ideológicas mais fundantes a resolver. Essa coisa de todo mundo meter a mão é massa, mas dá uma morgada às vezes. Dizem que o “ano décimo” promete”, revela Renan.

O Sol Tá Massa Ano 10
Domingo, 18/2/18
Concentração: 12h | Saída: quando as pessoas chegarem
Av. Bernardo Vieira de Melo, perto do campinho dos Beto’s

Atualizado em 16/2/18