A boneca transmigrou o vestido arqueado
E se desfez das anáguas
Com gestos delicados, colocou-as no chão

O bêbado ultrapassou os muros
Prontificou-se a colocar o peito à frente de facas
Esperou o exaurir da palavra, o brilhar de cada canção
Chorou espanto
Segurou estrofes
Caiu no chão

Mas libertou-se da angústia maldita
Da expressão sofrida
E arborizou-se no fundo da contramão

Serviu como guia, apontou para porta errada
E acertou o caminho
Seguiu a multidão

Eita! Que não teve pé, nem percalço
Não teve morto nem arrasto
Teve o pulo dos palhaços felizes
O passista de multicores
Os fujões das marcas de uma vida sem verniz

O bloco passou

Foi sete sem nada
Teve flor, miçanga, jangada

O bloco passou

A certo ponto, agachei-me
Por entre os poros
Por entre o ponto
Centralizado abaixo das antigas anáguas
Da antiga boneca
Agora moleca
E funguei
Ah funguei

Inebriado
Vi Ana
Vi Amanda
Joana
Fabiana
Vi Sandra

Surpreendi-me quando vi até Anastácia

Mas o bloco passou
Passou das 5 pontas
Dos 4 cantos
Do Recife encantado mesmo nesses tempos de crise

E seguiu

Chegando a parcimônia
A lentidão levitada
Das quartas-feiras de sangue seco e preguiça

E confirmou mais uma vez a liderança da melhor indústria nacional:
Carnaval do Brasil Sociedade Anônima!

Existe o Recife lá dentro, ou não, como diria Caetano Veloso

Diego Garcez é sobretudo poeta, mas encontrou na crônica uma forma de diálogo mais palatável para o mundo das pernas aceleradas. É formado em relações internacionais, empreendedor e entusiasta do Porto Digital, corredor nas horas vagas e pai em tempo absolutamente integral. Facebook: Diego Garcez | Instagram: @garcezdiego

Os conteúdos publicados no PorAqui são de autoria de colaboradores eventuais e fixos e não refletem as ideias ou opiniões do PorAqui. Somos uma rede que visa mostrar a pluralidade de bairros, histórias e pessoas.