O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) afirmou que o fator da taxa populacional de Olinda crescer acima da média nos últimos cem anos é que Cariri ‘não pega gente feio’.

Fundada em 15 de fevereiro de 1921, a troça Cariri de Olinda do velho mascate do Sertão cearense contribuiu de forma primordial para que a população de Olinda se tornasse o que hoje é: um aglomerado de gente não sedutora aos olhos de Cariri.

Em Olinda, constante falta de luz é para proporcionar clima romântico

Segue o hino da troça: “Lá vem Cariri, aí, com saco de pegar criança/pegando menino e moça, pegando tudo que a vista alcança/ Cariri não tenho medo, Cariri tenho receio/ pega velho, pega moço, só não pega ‘gente feio'”. 

Sem surpresas

Questionado pelo 4 Cantos News se sabia dos números expostos pelo IBGE, Cariri (que se acha belo ao ponto de se autoafirmar narcisista) respondeu: “Não, não sabia. Todavia esses dados não me surpreenderam. O olindense pode ser tudo animado, festivo, simpático, mas são prejudicados pela falta de beleza. Para você ter noção do que eu falo, o homem considerado mais charmoso da cidade é o Homem da Meia-Noite. Jesus me defenda! Pra mim, não passa de um aborto de papangu às avessas. Frankenstein é mais belo”.

Sobre a Mulher do Dia, Cariri foi categórico, citando o bordão do famoso personagem ‘Nazareno’ de Chico Anysio: “Aquilo não é uma mulher, aquilo é um lixo fora da lata! Nem bebo pegaria”. E terminou parafraseando Vinicius de Moraes: “Os feios que me perdoem, mas beleza é fundamental”.

Mulher do Dia muda visual e Homem da Meia Noite é internado às pressas

Aos olindenses que se sentiram ofendidos com as duras palavras de Cariri, não fiquem assim. Nós do 4 Cantos News também estamos no rol das pessoas que o Burro, a mando de Cariri, muda de calçada quando se depara na rua.

Todas as notícias do 4 Cantos News são fruto da imaginação. Qualquer semelhança com a vida particular ou acontecimentos expostos à sociedade, dos que moram ou dos que frequentam este ambiente são meras coincidências. O conteúdo não reflete, necessariamente, a opinião do PorAqui. Somos uma rede que visa mostrar a pluralidade de bairros, histórias e pessoas.