Tem muita gente que acha que Caruaru só tem uma banda de pífanos, que é aquela dos Bianos, famosa depois que Gilberto Gil mostrou eles pro Brasil. Mas, na realidade, são várias bandas. Basta dizer que Vitalino era pifeiro e chegou a ter uma banda de pífano e um dos principais nomes e mestres do pífano de Caruaru é João do Pife.

Tudo começou com a banda de pífano Terno de Zabumba, que foi criada em 1928 no sítio Xambá em Riacho das Almas, pelo mestre Alfredo Marques dos Santos (1913–1997).

Entre com um sorriso e saia com dois: o universo de Mestre Sebá do Mamulengo

Mestre Alfredo, além de tocar, já confeccionava os pífanos para os músicos que não tinham essa habilidade e para as pessoas que frequentavam as tocadas. A banda costumava tocar nos finais de semana em novenas e festividades, coisa que se assemelha muito ao início da história da banda de pífano dos Bianos. Logo, percebe-se esses tipos de festividades animadas por bandas de pífanos como sendo uma prática bem tradicional da época.

Mestre Alfredo se casou com Maria Francisca dos Santos. Tiveram 18 filhos, mas devido a condições de vida precárias, 11 morreram prematuramente. Dois dos garotos  seguiram com a tradição de tocar pífano: Severino Alfredo dos Santos e João Alfredo dos Santos (João do Pife). Os meninos começaram a aprender com o pai a tocar e a confeccionar os pífanos, a partir dos 10 anos de idade e com 14 anos já integravam a banda do pai.

Banda de Pífanos Dois Irmãos

Na década de 80, os irmão Severino Alfredo e João do Pife assumiram a responsabilidade da banda, quando o pai não podia mais, e foi a partir daí que mudaram o nome da banda para “Banda de Pífanos Dois Irmãos”, dando continuidade ao pedido e a herança que o pai deixou em seguir com a arte que ele tinha começado. Foi nessa mesma época que se mudaram para Caruaru, mesmo sem conhecer a cidade.

O cordel de Francisco Sales Arêda, que inspirou até Ariano Suassuna

Seu João começou em Caruaru trabalhando como percussionista na banda de Pífano Cultural de Caruaru (banda de Biu do Pife), e tocava também na feira, como mestre Severino conta:

“A Feira de Caruaru era pra nós como o Rio São Francisco é para o Nordeste, ela era nosso celeiro, o nosso berço, a nossa fonte e nos levou para vários países. Eu ia muito satisfeito pra Feira e voltava dela melhor ainda”.

Nessa época, em Caruaru, os músicos que  João e Severino escolheram para integrar a banda Dois Irmão foram outros 4 irmãos: Manoel Antônio da Silva (caixa), José Feliciano Rodrigues (mestre Zé gago – prato), Sebastião Feliciano da Silva (mestre Bastos – zabumba de braúna) e Jesson Rodrigues de Moura (surdo). Esses quatro tocaram com a banda Dois Irmão por quase 20 anos e atualmente esses formam a banda de Pífanos Zé do Estado.

João do Pife se casou em 1968 com Luiza regina dos Santos e tiveram 8 filhos, mas apenas 4 seguiram a carreira musical, e o acompanham na banda hoje, formando a percussão da banda Dois Irmãos, são eles:

Alexandre dos Santos – pratos/pífanos
Leandro dos Santos – caixa
Cícero dos Santos – zabumba
Paulo dos Santos – Caixa/pífano

Por problemas de saúde, Severino Alfredo não pode mais tocar pífano, e hoje quem acompanha Seu João na banda de pífano Dois Irmãos é o mestre Marcos do Pífano.

A Dois Irmãos é, hoje em dia, a banda de pífanos mais antiga ainda em atividade

Marcos do Pífano

Marcos Antônio da Silva, nasceu em 1962 na cidade de Carapatós (a 25 km de Caruaru), em uma família de músicos. O avô dele, Vitoriano Mateus, já tocava e confeccionava pífanos (inclusive, hoje em dia existe a banda de pífanos em Caruaru chamada “Vitoriano Jovem”, com Andinho do Pife, e o nome é em homenagem ao avô de Marcos).

O pai de Marcos, Manoel Vitoriano, tocava percussão e fundou a banda de Pífanos da Barra de Carapatós, na qual Marcos ingressou pra tocar pífanos aos 9 anos de idade. Marcos veio morar em Caruaru no ano de 1976, e só em 1984 conheceu João do Pife e Severino no Parque São Pedro no Recife, tocando frevo com a banda de pífanos Dois Irmãos.

João do Pife convidou Marcos para integrar a banda Dois Irmãos, no qual começou como percussionista até que em 1999, em Portugal, Severino não pode tocar por problemas de saúde, e Marcos o substituiu ficando até hoje fazendo dupla nos pífanos com João do Pife na banda.

Seu João viajou para vários países tocando pífano, dentre eles os EUA, já que em 2002 o pesquisador Larry Crook (ph.D. Universidade do Texas) especialista em etnomusicologia, passou uma temporada de 1 ano no Brasil, fazendo pesquisa sobre Cultura Popular. Larry levou Seu João para os EUA e lá seu João confeccionou mais de mil pífanos e 20 zabumbas para os alunos da universidade. Com o dinheiro recebido dessa viagem, comprou sua casa própria em Caruaru.