A Prefeitura de Caruaru, no Agreste de Pernambuco, divulgou os nomes dos cinco homenageados do São João do 2018. Foram escolhidos o escritor e compositor Nelson Barbalho (in memoriam), o colunista social Jotta Lagos (in memoriam), o organizador de eventos Zé Lucía do Palhoção (in memoriam), a compositora e poetisa Fátima Marcolino e a boleira Maria do Bolo.

O São João de Caruaru acontece de 1º a 30 de junho e tem festas espalhadas por 21 polos de animação na cidade e na zona rural.

São João: veja programação e entenda por que Caruaru é a Capital do Forró

Confira o perfil dos homenageados:

Fátima Marcolino
A paraibana Fátima Marcolino é compositora, escritora, poetisa e adotou Caruaru para viver. Herdou do pai, Zé Marcolino, também paraibano, o dom de compor músicas que retratam o dia a dia do nordestino. Um dos grandes momentos da vida da poetisa foi o encontro com Luiz Gonzaga, que fez um show em homenagem ao seu pai, um ano depois da sua morte. Lançou, recentemente, seu livro de poesias “A mesa da cozinha lá de casa”. Dentre as composições famosas, em parceria com o irmão Bira Marcolino, estão: “Siá Felícia”, “A cartilha da canção” e “Porteira da Saudade”.

Fátima Marcolino. (Foto: Dewis Caldas)

Jotta Lagos (in memoriam)
Juvanci Brasilino Lagos, mais conhecido como Jotta Lagos, nasceu em 16 de novembro de 1948. Atuou por 49 anos no colunismo social e ficou conhecido por promover eventos como o “Grande Noite”, que reconhecia a importância das pessoas que foram destaque durante o ano. Além disso, atuava no Jornal do Jotta; comandava, há 30 anos, o programa semanal “Jotta Lagos em Sociedade” na Rádio Liberdade; produzia, ainda, o famoso “Forró Society” e estava empenhado na construção da sua biografia. Jotta morreu em 12 de janeiro de 2018, vítima de um edema pulmonar agudo.

Jotta Lagos. (Foto: Divulgação)

Maria do Bolo
Maria Eugênia da Silva, conhecida por Maria do Bolo, é mãe de seis filhos e responsável por uma das festas de comidas gigantes mais tradicionais de Caruaru: o Pé de Moleque gigante. Há 21 anos, ela idealizou a festa, realizada no bairro das Rendeiras, e que atrai milhares de moradores de toda a cidade. A iguaria de D. Maria chega a pesar 800 kg. Atualmente, o filho mais velho é um dos responsáveis pela produção do bolo gigante e D. Maria é a coordenadora do evento.

Maria do Bolo. (Foto: Divulgação)

Nelson Barbalho (in memoriam)
Nelson Barbalho de Siqueira nasceu em Caruaru em 2 de junho de 1918. Filho de comerciantes, foi aluno do poeta Augusto Tabosa. Escreveu para jornais da cidade e revistas literárias, onde publicou crônicas e textos baseados em lembranças e memórias. Foi um grande compositor de forró e baião, tendo várias composições gravadas por Luiz Gonzaga, como: “Capital do Agreste”, “Comício no Matão”, “Xote das moças” e a toada “A morte do vaqueiro” (que se tornaria um clássico, dando origem à Missa do Vaqueiro). Nelson morreu no dia 22 de outubro de 1993.

Nelson Barbalho. (Foto: Divulgação)

Zé Lucía do Palhoção (in memoriam)
José Severino de Arruda, conhecido como Zé Lucía do Palhoção, era natural de Surubim e adotou Caruaru como cidade do coração, onde viveu a maior parte da vida. Apaixonado por São João e forró, passou a organizar, nos anos 1970, festas de rua nos bairros durante o período junino. Em 1975, inaugurou a Casa do Forró (localizada onde atualmente funciona a Casa dos Pobres São Francisco de Assis). O primeiro show da casa foi de Luiz Gonzaga. O local se firmou como um dos espaços mais importantes do forró na cidade. Zé Lucía também organizou o Palhoção do Bairro Petrópolis e concurso de quadrilhas na Avenida Rio de Janeiro, no bairro São Francisco. Faleceu há nove anos.

Zé Lucía do Palhoção. (Foto: Divulgação)