Janeiro é o mês de nascimento de um dos ícones e grandes mestres da cultura popular de Caruaru, no Agreste de Pernambuco, principalmente no teatro de Mamulengos: Mestre Sebá.

Sebastião Alves Cordeiro Filho nasceu em Sertânia em 1957, trabalhou lá como assistente de obra, padeiro, fabricante de vinagre e, aos domingos, ajudava a mãe na plantação de algodão. Sempre com o sonho de ser artista de cinema.

Em 1974, foi para o Rio com o objetivo de juntar dinheiro pra comprar uma casa pra mãe, lá trabalhou na construção do metrô da cidade. Voltou pra Pernambuco sem realizar o desejo, mas firme no sonho de entrar pra vida artística. Caruaru era Nova York pra ele.

Em Caruaru, ele chegou em 1979 pra trabalhar vendendo cigarros em um fiteiro e, a partir daí, foi chamado para atuar na peça “Solte o Boi na Rua” de Vital Santos com o Grupo de Teatro Ivan Brandão.

Pouco tempo depois, se juntou à Companhia Feira de Teatro Popular e circulou o Brasil com a peça “O Auto das Sete Luas de Barro” e teve até uma peça de autoria de Vital Santos inspirada na sua vida chamada de “Olha Pro Céu Meu Amor”, lançada em 1983.

Você sabia que Caruaru tem praia?

Cartaz de divulgação da peça “O Auto das Sete Luas de Barro”

Reconhecimento

Em 2014, recebeu a medalha de Honra ao Mérito Compositor Onildo Almeida. Dois anos depois, em 2016, Sebá recebeu o título de Cidadão Caruaruense por reconhecimento do seu trabalho com cultura popular.

Já em 2017, foi o homenageado do Janeiro de Grandes Espetáculos. Sebá participou também da novela da Globo “Velho Chico” e é o fundador da “Companhia Pernas pra Circulá” e do teatro de mamulengo Mamusebá, que hoje se encontra localizado na Estação Ferroviária.

Foto: Nadinelson Oliveira/Divulgação

Seu primeiro trabalho com mamulengo foi em 1981 com a peça “A Noite dos Tambores Silenciosos”, até que em 1985 ele cria o Teatro Garagem Mamusebá, na garagem de sua casa.

Caruaru seleciona propostas artísticas para o São João

Fantasia

Sebá conseguiu criar e materializar na linguagem do teatro de mamulengos, um ambiente inteiro de fantasia pra deixar qualquer escritor desse gênero com inveja. Um ambiente onde a fada dos sonhos se torna real, onde objetos inanimados ganham vida, nomes e até personalidade.

No interior do teatro de mamulengos existe vários personagens como o Benedito, que sempre aparece abrindo as apresentações:

“Eu sou o Benedito de Lima
cravo das moças
alecrim das meninas
cabrinha muito jeitoso
é venta chata e perna fina”

A apresentação segue na base do improviso também, com diálogos improvisados e até alguns versos como:

“um lindo ponto turístico
uma igrejinha e uma cruz
nesse momento eu explico
pois o lugar me seduz
é de lá que eu vejo a cidade
é o monte do Bom Jesus”

O ambiente é iluminado por 33 balões (mesmo número do tempo de vida, 33 anos de projeto), que ilumina as crianças e o elenco de personagens: a Marieta, o palhaço Sucata, o palhaço Clamobó, Ventania, Chiquinha, Lalá, Tenente Zeca Galo e o Benedito.

‘Tai doido, bicho’: guia prático para entender o que o povo de Caruaru fala

Cultura popular

E é justamente essa turma que passa não só entretenimento para a criançada, mas também conhecimento sobre a história e a cultura popular do “País de Caruaru” (como diria Nelson Barbalho).

As crianças que acertarem as perguntas sobre esse conhecimento passado ganham um presente, como um pião ou um Mané Gostoso.

Além disso, o local é todo habitado por esses personagens e referências da cultura popular como a Casa de Farinha, a banda de pífanos de Mestre Vitalino, Frei Damião, Luiz Gonzaga, casa de taipa, Lampião, bacamarteiros e os ventríloquos: Marieta, Ventania, Chiquinha, Filomena e o Tenente Zeca Galo que também fazem parte desse cenário carregado de ludicidade.

A emocionante história da Fundação Música e Vida de São Caetano

Mamusebá

Ou seja, o Mamusebá é de fato um ambiente onde o próprio Sebá afirma: “Essas fadas de sonhos, aqui para esse nosso universo, ele é real” e ainda diz “Aqui entra com um sorriso e sai com dois”.

O Mamusebá é do mesmo jeito, não é uma simples garagem e sim um mundo de magia com vários seres mitológicos que ganham vida aos que se permitem enxergar. Um conto de fadas nordestino onde se dá risada e aprende sobre arte popular.

E pra acompanhar a agenda de atividades do Mamusebá, é só acessar a página deles no facebook, clicando AQUI.

“alô alô criançada
ta na hora do show terminar
sejam bem vindos
menino e menina
os bonecos já vão descansar”