Luiz Gonzaga de Lima, mais conhecido como Gonzaga de Garanhuns, foi habilitado novamente para a fase seguinte do Concurso do Patrimônio Vivo de Pernambuco. O mestre do reisado  mantém viva a tradição com crianças e idosos do município, no Agreste de Pernambuco.

Ele está entre os 53 aptos na 13ª edição do certame realizado pela Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco – Fundarpe. A lista foi divulgada no Portal Cultura PE.

Os Patrimônios Vivos de Pernambuco são mestres da cultura popular pernambucana reconhecidos como Patrimônio Imaterial do Estado, que recebem este título através de um concurso público apoiado na Lei do Registro do Patrimônio Vivo (Lei nº 12.196, de 2 de maio de 2002).

Todos os anos, três novos Patrimônios Vivos são nomeados pelo Governo de Pernambuco, e apoiados com o objetivo de preservar seus múltiplos saberes, fazeres, memórias e histórias. A lei, além de permitir a preservação e valorização das manifestações populares e tradicionais, garante as condições para que sejam repassadas às novas gerações de aprendizes.

Concessionárias de Caruaru terão que plantar uma árvore a cada veículo vendido

A torcida é grande para que Gonzaga, ao lado de José Pimentel, seja mais um garanhuense a fazer parte desse seleto grupo da cultura pernambucana. A história de Gonzaga com o reisado começou há 60 anos, quando, aos 13 anos, teve o primeiro contato com o folguedo, na zona rural de Garanhuns.

Gonzaga de Garanhuns. (Foto: Edmea Ubirajara)

Iniciado oficialmente por Manoel Clarindo da Rocha, a quem ele chama de “primeiro mestre”, Gonzaga sempre se destacou. Em 1977, foi formado o Reisado do Mestre João Gomes, em Garanhuns, e Seu Gonzaga foi convidado para ser o personagem Mateus.

Ao mesmo tempo que Gonzaga trabalhava no comércio e participava de reisados, ele também conciliava seu tempo com a produção de literatura de cordel.

Monte Bom Jesus, em Caruaru, passa por requalificação e ganha novos espaços

Em 1973, escreveu o seu primeiro trabalho, “Lampião e Serrinha”. E atualmente possui mais de 350 títulos autorais, que já ultrapassaram fronteiras e estão expostos em outros países, como nos Estados Unidos, França e Japão.

O reisado ensaia semanalmente. (Foto: Camila Queiroz)

Seu Gonzaga, como é chamado carinhosamente, já participou de festivais regionais e de produções de LPs. Os cinco reisados que hoje ele faz parte são formados por idosos, adolescentes e crianças.

Eles ensaiam semanalmente no Centro de Referência em Assistência Social (Cras) do bairro Heliópolis. Em novembro no ano passado ele recebeu o Prêmio dos Mestres da Cultura Popular: Edição Leandro Gomes de Barros.

Elba Ramalho canta música oficial do São João de Caruaru e doa cachê