Em 6 de novembro de 2016, a equipe do projeto Bichos da Caatinga realizou a soltura de uma fêmea de tamanduá-mirim em uma área de Caatinga preservada do município de Santa Cruz do Capibaribe-PE, sem registro de avistamento de tamanduá-mirim até então. Ela havia sido capturada em um loteamento da cidade por um morador que procurou a equipe do projeto.

Com a soltura, nasceu ali a esperança de que o animal conseguisse encontrar as melhores condições para sobreviver. Cem dias depois, nossa equipe registrou novas imagens da fêmea de tamanduá-mirim no local da soltura.

LEIA TAMBÉM:

Gato-do-mato-pintado: felino está em perigo de extinção

Choca-barrada-do-nordeste é flagrado em ninho em Taquaritinga do Norte

Como não usamos nenhum sistema de rastreamento com colar ou qualquer forma de identificação no animal, saber se o animal se deu bem após a soltura não é tarefa fácil.

Porém, no mês passado, praticamente dois anos após a soltura, nossas armadilhas fotográficas registraram uma mamãe tamanduá-mirim com um filhote. Tudo indica que seja a fêmea que soltamos. Uma imensa alegria para o time do projeto Bichos da Caatinga, alegria que guardamos para compartilhar com vocês hoje, no dia 29 de novembro de 2018, o Dia do Tamanduá.


O projeto Bichos da Caatinga coloca a rica biodiversidade da Caatinga em evidência, mostrando a vida selvagem que vibra no semiárido brasileiro em registros incríveis. Instagram: @bichosdacaatingaoficial

 

O conteúdo não reflete, necessariamente, a opinião do PorAqui. Somos uma rede que visa mostrar a pluralidade de bairros, histórias e pessoas.