Texturas, pulsações e tensões que saem de sintetizadores, computadores, samples e instrumentos que estão no palco. A música eletroacústica é um campo aberto para experimentações. No Recife, as apresentações voltadas para este tipo de música experimental geralmente acontecem em “inferninhos” como o Iraq ou o Texas.

Vinil Alternativo reúne gerações de rockeiros na Boa Vista desde 1990

Mas neste sábado vai ser diferente: o Teatro Capiba, no Sesc Casa Amarela, vai receber a Camerata dos Pés Juntos, que vai tocar uma versão da obra Bava Maestro Dell’Horror, uma homenagem ao diretor italiano de filmes de terror Mario Bava. A entrada é gratuita e a abertura é com show do Photon com participações de Taíramosleal e Luciano Emerson.

A Camerata é uma espécie de “super grupo” da música experimental pernambucana: tem Thelmo Cristovam (saxofones, trompete), Yuri Bruscky (sintetizadores analógicos modulares), Túlio Falcão ( computador) e Henrique Correia (guitarra).

Composição, improviso e horror

É Túlio Falcão quem assina a composição da peça – que contém gritos e sussurros dos filmes de Bava, criando uma atmosfera bem tensa. Como é uma improvisação livre, a composição serve mais ou menos como uma “bula” que orienta os músicos.

“Improvisação livre consiste nos integrantes tocarem o que quiserem e tentar relacionar as escolhas entre si para que isto vire uma composição colaborativa em tempo real.  Apesar de parecer contraditória, o que proponho com a bula é direcionar a improvisação. Com a bula, apesar de estarmos tocando sem orientação ao que fazer em termos de notas musicais e outros aspectos, esta me dá o poder da dinâmica e do tempo de cada evento proposto”, comenta Túlio.

O diretor italiano de filmes de horror Mario Bava. Foto: Wikipedia

O tema da obra não veio por acaso: a Camerata se formou justamente para homenagear o gênero do horror. “Sou um grande fã dos filmes da Hammer (produtora inglesa), com aquela estética visual particular. O cinema de Mario Bava influenciou bastante a Hammer. Então, homenagear Mario Bava é homenagear toda uma estética cinematográfica nos filmes de horror que foi adotada durante os anos 50, 60, 70 e até 80”, conta Túlio.

Projeto quer estimular debate 

A apresentação faz parte do recém-criado projeto Algaravias, idealizado pelo músico e produtor Henrique Correia. “Foi um projeto que criei para estimular mais apresentações e debates sobre música eletroacústica, arte sonora e estéticas mais heterodoxas correlacionadas”, diz.

Henrique conta que a ideia inicial é fazer algo semestralmente, com apresentações, palestras, debates e oficinas. Além da apresentação no Teatro Capiba, haverá também uma ação educativa com alunos de escolas públicas que têm parcerias com o SESC. “Nesta ação, vou introduzir alguns conceitos sobre a criação de música eletroacústica de forma prática através de aplicativos para smartphones”, detalha Henrique.

Camerata dos Pés Juntos no Projeto Algaravias
Abertura com Photon com participações de Taíramosleal e Luciano Emerson.
?Sábado, às 19h30
?Teatro Capiba/ SESC Casa Amarela. Av. Professor José dos Anjos, 1109, Mangabeira. Recife-PE
? Entrada Gratuita