Em 1974 a família de Joaquim Nabuco doou toda a obra pública do abolicionista pernambucano. Eram escritos, livros e documentações políticas, a maioria ligada ao movimento abolicionista e que Nabuco juntou durante anos para criar o “Museu 13 de Maio”. O sonho do museu de Nabuco não foi para frente, mas a Fundação Joaquim Nabuco recebeu a doação, tratou o material e desde então ele fica disponível para consultas no Centro de Documentação e de Estudos da História Brasileira – Cehibra.

Agora, outra importante parte do intelectual, escritor e diplomata vai chegar na Fundaj. São cerca de seis mil documentos da família Nabuco: diários do abolicionista, cartas, fotografias, testamentos, livros de receitas, certidões de batismo, boletins escolares, cartões-postais, recortes de jornais.

LEIA TAMBÉM

Estátuas guardam templo de artes e esculturas na Várzea

“São documentos de cunho mais pessoal e familiar. Em 1974, quando a família doou o acervo, manteve esse material por questões de afeto. Mas agora a família resolveu fazer a doação para que essa documentação tenha a preservação adequada e também possa ser consultada por pesquisadores”, conta a historiadora do Cehibra, Rita de Cássia Barbosa.

Nesta semana, foi formalizada a doação com a visita do bisneto Pedro Nabuco à Fundaj. Todo o arquivo está na casa de um neto do abolicionista no Rio de Janeiro. Com a formalização, uma licitação será aberta para que uma empresa de transporte seja contratada para trazer o material. A previsão é de que em outubro os documentos cheguem ao Recife.

Joaquim Nabuco nasceu no Recife, em 1849. Foto: Reprodução

Com a chegada, outra fase se inicia. O material será higienizado e catalogado, em um processo que deve durar alguns meses. “Apenas alguns manuscritos das décadas de 1830 e 1840, do senador Tomás Nabuco, pai de Joaquim, devem precisar de restauração. Mas o estado dos documentos em geral é muito bom, porque sempre esteve na família e foram pouco manuseados, poucos consultados”, explica Rita.

A expectativa é de que os documentos sejam incorporados ao arquivo Privado Joaquim Nabuco, reconhecido como “Memória do Mundo Unesco-Brasil 2008”, em meados do ano que vem, nas comemorações dos 70 anos da Fundaj e dos 170 anos do nascimento do abolicionista.

Assim como todo arquivo da Fundaj os documentos da vida privada de Nabuco vão ficar disponíveis  para consulta por qualquer pessoa interessada. Alguns documentos ficam disponíveis em microfilmes, no próprio Cehibra. Outros, digitalizados, estão também no site Domínio Público, do Ministério da Educação.

Centro de Documentação e de Estudos da História Brasileira – Cehibra
? Campus Anísio Teixeira – Rua Dois Irmãos, 92. Recife -PE
? De segunda a sexta-feira: 8h às 12h / 13h às 17h
? (081) 3073-6530