não deixa de ser curioso que empresas [seus líderes, na verdade] digam que querem fazer uma #TRANSFORMAÇÃO #DIGITAL enquanto, ao mesmo tempo, querem MANTER práticas analógicas [quando muito, digitalizadas].

PIOR, querem manter filosofias, políticas e estratégias analógicas… que não podem nem ser digitalizadas. é IMPOSSÍVEL.  enquanto o passado está tentando especificar o futuro, nada se transforma, porque O #FUTURO VEM DO FUTURO. 

parece óbvio e simples, mas não é. pra ver qual é o impacto da transformação digital pras PESSOAS, nas organizações, olhe o tamanho do problema em… GENTE, DIGITAL, um texto de quase 100 páginas que eu escrevi pra muchmore.digital.

um dos problemas mais dramáticos -e não reconhecidos- em qualquer organização pode ser resumido em uma frase quase trivial: por melhor que seja seu negócio, seu modelo de negócios foi desenhado e está sendo implementado para estabilidade e NÃO pra mudanças. sob pressão de mudanças no ambiente competitivo, é bem capaz do seu atual modelo de negócios não servir. e aí é capaz do seu negócio entrar em colapso, por melhor que ele seja.

a maturidade das plataformas digitais, servindo como novas bases para fazer negócios de todos os tipos, está fazendo os mercados passarem por um PONTO DE INFLEXÃO DIGITAL. um salto para o digital, a partir do qual não é mais possível, naquele mercado e para qualquer negócio, competir de forma essencialmente analógica. à exceção de agroindústria, mineração e indústria pesada, entre poucas outras, a maior parte desta transição está acontecendo AGORA… e parte já passou, como nos mercados de áudio e vídeo, finanças e [parte do] varejo.

e um mercado que vai mudar muito mais do que já mudou, e vai afetar MUITO a vida nas cidades, no futuro próximo, é o VAREJO. vá lá no título e veja a imagem em destaque nesse post. somando produtos novos e usados, nas lojas e marketplaces, o varejo digital brasileiro está crescendo acima de 20% ao ano, enquanto a economia em geral cresce… nada, e o varejo como um todo recuou 6.7% em 2016 e cresceu 4% em 2017.

as vendas em lojas físicas já estão sendo afetadas pelo digital -que é apenas 5-7% do total, no país- numa revolução que só está começando. mas que muda hábitos que gente do varejo tradicional jurava [de pés juntos, como a gente diz em TAPEROÁ…] que jamais mudariam. sabia que, em VOLUME, a categoria de produtos mais vendida online já é MODA e seus acessórios? isso mesmo: calças, vestidos, blusas sapatos… coisas que a gente veste, usa no corpo.

lá no começo da web, no brasil, eu participei de um debate, aqui no recife, com um dono de uma rede de sapatarias que, ao ouvir minha opinião de que um dia haveria comércio digital de tudo, inclusive sapatos, declarou alto e bom som que o debate não era sério, que não estava disposto a participar de brincadeiras. e a brincadeira se tornou 14.2% de todas compras online, ano passado – mais de 15 milhões de pedidos onde, de acordo com os modelos de negócios legados para moda… não deveria haver nenhum.

então, fique esperto. em mercados em transição, e especialmente nso mercados que estão passando por uma TRANSFORMAÇÃO DIGITAL… é bem capaz do seu modelo de negócios ANALÓGICO ter sérias dificuldades para sobreviver. estude e tente outras possibilidades, antes que seja tarde.