O estresse do dia a dia deixa as pessoas tão irritadas que é fácil entrarem em discussões no trânsito ou com um colega de trabalho. Há várias maneiras de sair deste clima, mas uma em especial tem ajudado bastante: a prática milenar da meditação. Praticantes defendem que o ato de parar e tentar tranquilizar a mente pode fazer milagre na sua rotina.

O PorAqui visitou dois centros budistas com turmas de meditação para iniciantes, um na Encruzilhada e outro em Campo Grande. Não precisa ser seguidor do budismo para a prática, basta escolher o espaço e o horário mais adequado ao seu cotidiano.

CEBB – Centro de Estudos Budistas Botisatva

O CEBB é alinhado aos ensinamentos do Lama Padma Samten, que é seguidor da tradição do budismo tibetano. São vários centros espalhados por Recife, no da Encruzilhada tem encontros que incluem meditação e estudos de textos de segunda a sexta com duração, em média, de uma hora e meia.

Hebe Pires, facilitadora do espaço, resolveu conhecer o centro por curiosidade, começou meditando 5 minutos e hoje pratica por duas horas. Ela explica que passou a ter mais domínio sobre as suas emoções e, assim, conquistou uma melhor qualidade de vida. “O grande desafio é levar os ensinamentos conquistados através da meditação para a rotina. Quando você está bem, é mais fácil praticar o bem”, destaca.

As salas do CEBB são mantidas com recursos oferecidos pelos praticantes e visitantes, eles sugerem o valor de R$20, em média, por prática. Também são oferecidos cursos com temas variados sobre o budismo e as questões emocionais. Neste domingo, haverá um aprofundamento em silêncio.

Rua Marechal Deodoro, 283, Encruzilhada, Recife -PE.
Contato: Carmita (98842-9194), Regina Buccini (98789-0672), João Vale (99737-1415), João Augusto (98883-6088), Eduardo Oliveira (99673-7477) e Vinícius Paes Barreto (99215-4600)

Drukpa Recife

O Centro Drukpa Recife é um local de práticas de meditação e estudos para budistas e não budistas, orientado diretamente pelos Lama Jigme Lhawang, S.S. Gyalwang Drukpa e S.Ema. Gyalwa Dokhampa, que seguem a linha do budismo do Himalaia.

Fabian Andrade é seguidor do Lama Jigme Lhawang e um dos facilitadores. Ele comentou que se aproximou do budismo porque estava em busca de conhecimento espiritual. “Conheci o Lama e senti uma conexão. A meditação é transformadora, me tornei mais paciente e compassivo nas relações, e passei a julgar menos e a entender mais o outro”, conta Andrade.

Para quem também está em busca de uma mudança de comportamento na vida, o centro oferece práticas de segunda a quinta, das 19h30 às 21h. Na segunda e quarta é gratuito. Já nas terças e quintas, é cobrada uma mensalidade no valor de R$ 108 para quem tem interesse em frequentar e ajudar na manutenção do espaço. Além da meditação, uma vez por mês tem retiro com o Lama.

Rua Franklin Távora, 283, Campo grande
Fone: Murilo: (o81)99143-4748 e Fabian: (081) 99262-7674

Unidade de saúde na Encruzilhada tem homeopatia, acupuntura, yoga e outras práticas