Um dia é feito de muitas partes, ou melhor, momentos que esperam ser bem vividos, mas não precisa ser um super acontecimento, afinal de contas não é todo dia que você faz a viagem dos sonhos ou ganha na loteria. Lembro do tempo em que a felicidade me habitava ao ver uma palito de picolé premiado que dava direito a outro pedido.

Os tempos mudam e as moradas da felicidade também. Esses dias me peguei pensando nos pequenos ritos que compõem as manhãs, tardes e noites. Era hora de almoçar e as pernas me levaram ao restaurante do bairro que costumo frequentar, lá me sinto em casa, por os pés no chão feito de barro e o frescor que traz, a  sombra das árvores centenárias como companhia nas refeições, com sorte ainda sentir a brisa balançar as folhas das plantas e bater no corpo.

LEIA TAMBÉM:

Casa: morada, sossego, lugar da minha paz

Como cenas ‘triviais’ podem lançar luz e poesia ao cotidiano

E por falar em plantas, no último fim de semana, almocei em outro restaurante, também perto de casa, fiquei no quintal do casarão e a copa das árvores tinha forma de abanador natural, os galhos cresceram paralelos ao chão, coisa da natureza ou dádiva.

Retomando o percurso poético-caminhante, terminado o bonito gesto de se alimentar, nutrir o corpo e a mente de energia, vem mais disposição para andar, respirar e ser pelas estradas e buracos das calçadas. Agora é hora de comprar alimentos para os seres de quatro patas, eles ficaram em casa e agradecem com um ronronado e uma lambida carinhosa. Os pet shops do bairro ajudam nessa missão.

Outra parada no itinerário, hora de renovar os produtos da geladeira,  comprar novas frutas, o que comer no café da manhã?  As frutarias do bairro dispõem de cereais, vegetais e itens para o consumo, alimentam as despensas, armários e barrigas.

E parafraseando os queridos poetas mineiros do Clube da Esquina que tanto me inspiram, e lá se vai mais um dia. Eu acrescentaria, e lá se vai mais um dia graciosamente. Que seja assim para você e para mim.

Raiza Figuerêdo chegou ao mundo no verão de 1989, em Salgueiro, Sertão de Pernambuco. Nas curvas da estrada, foi descobrindo seus vários eus: escritora, psicóloga, cientista, professora e ainda outros. Tem buscado treinar o olhar para enxergar as pequenas grandes coisas do cotidiano, que coloca no ar em seu site e no canal que mantém no PorAqui, ‘Enquanto Caminho’. Mora nas Graças.

 

Os conteúdos publicados no PorAqui são de autoria de colaboradores eventuais e fixos e não refletem as ideias ou opiniões do PorAqui. Somos uma rede que visa mostrar a pluralidade de bairros, histórias e pessoas.