Doze meses são compostos por muitas horas e momentos que esperam ser vividos, talvez seja difícil resumir o sentimento que marcou um ano em uma palavra, mas, lá no fundo, quando a gente deixa a mente quieta, a espinha ereta e o coração tranquilo, quando silenciamos, conseguimos definir essa palavra-sentimento.

Você que lê esse texto agora e que também já pode ter lido outras crônicas escritas nesse canal, me viu falar sobre o cotidiano em suas cenas triviais, aparentemente banais, mas a poesia reside no que parece familiar e se torna especial quando a gente lança luz, enxergando de outros modos e ângulos.

LEIA TAMBÉM:

Para ser um dia, não precisa muito

Como cenas ‘triviais’ podem lançar luz e poesia ao cotidiano

 

A vida é feita de coisas simples, como observar a cachorra dormindo e me fazendo companhia enquanto escrevo esse texto, ou escutar o movimento do carro na rua, os pássaros em coro nas últimas horas da manhã,  o vento soprando nas folhas do pé de jambo, alguém varrendo uma calçada e as batidas de um martelo na casa de algum vizinho, tudo isso acontecendo ao mesmo tempo.

O bairro em que moro, Graças, com sua natureza, casas velhas, personagens e ares bucólicos permite exercícios de olhar o mundo de forma diferente e eu continuarei treinando os olhos e o coração para capturar essa beleza que às vezes passa despercebida.

Mas voltando à palavra que marcou esse ano, cada vez que nasce uma crônica, eu me abro para o mundo, esta abertura foi minha palavra, eu me desnudo, divido com o leitor o que sinto, acredito e penso, é desafiador e ao mesmo tempo prazeroso compartilhar essas reflexões.

A tecnologia leva os textos para vários lugares, através da internet e eu nem imagino onde podem chegar. Isso é fascinante, a palavra se espalha no mundo. Que a poesia e a escrita pulsem cada vez mais, no novo ano que está quase nascendo.

Raiza Figuerêdo chegou ao mundo no verão de 1989, em Salgueiro, Sertão de Pernambuco. Nas curvas da estrada, foi descobrindo seus vários eus: escritora, psicóloga, cientista, professora e ainda outros. Tem buscado treinar o olhar para enxergar as pequenas grandes coisas do cotidiano, que coloca no ar em seu site e no canal que mantém no PorAqui, ‘Enquanto Caminho’. Mora nas Graças.

 

Os conteúdos publicados no PorAqui são de autoria de colaboradores eventuais e fixos e não refletem as ideias ou opiniões do PorAqui. Somos uma rede que visa mostrar a pluralidade de bairros, histórias e pessoas.