[Matéria editada no dia 05 de junho de 2018]

“Qualquer comida pode ser harmonizada com o vinho, inclusive sarapatel“. Foi em uma conversa na bela Casa do Vinho Olinda, localizada no Sítio Histórico da cidade, que a sommelière Ana Paula Crasto, empreendedora do lugar, jogou essa real de forma elegante e assertiva. Não escondi o espanto, já que o imaginário criado em torno do vinho sempre foi de sofisticação. Ou pode existir um refinamento no sarapatel?

Trocar uma ideia descompromissada com Ana Paula, formada pela Associazione Italiana Sommelier, é se permitir a quebrar muitos paradigmas relacionados à cultura do vinho. Ativista da causa, desde o começo do ano tem aberto as portas do próprio lar para desmistificar a cultura do vinho promovendo eventos de formação, degustação e jantares feitos por ela mesma.

Escola de vinhos chega ao Recife com formações em certificação britânica

É tanta ideia errada que fiz um convite para a sommelier listar 5 mitos sobre vinho que precisam ser derrubados, especialmente para os leitores do PorAqui. Segundo Ana Paula, existem tantos outros que poderiam até virar uma série. Pense.

Apois então, dá uma chega pra lá nesse latão de cerveja que é só milho, abre o coração e se liga na ideia cheque da especialista. No final da matéria tem uma surpresa para os simpatizantes do líquido abençoado. ?

#1 Vinhos com tampa de rosca são de má qualidade ou falsificados

Um mito bastante corriqueiro é sobre os vinhos com tampa de rosca, se são falsificados ou de má qualidade.  Abrir um vinho com rolha de cortiça é um ritual irrecusável para muitos, as mesmas são mais caras e portanto mais utilizadas em vinhos que tem potencial de guarda, porque além do charme, inegável, possibilita a micro oxigenação por ser um material natural.

Já  para os  vinhos  jovens de consumo rápido, não se faz  necessário, portanto muitos produtores  utilizam o Screw Cap (rosca) que além de prático, tem a pegada sustentável, já que não vem de árvores, como a cortiça, material usado para fabricação das rolhas, outra vantagem dessa vedação é que elimina totalmente o risco de Bouchonné ( cheiro  de mofo na rolha).

Portanto, nem sempre está relacionado com a qualidade. Existem ótimos vinhos com rosca!

#2 “Sou como o vinho, melhor com o tempo”

Máxima errada! Alguns vinhos podem (e devem) envelhecer, não todos! Essa é uma verdade apenas para alguns estilos, algumas regiões e variedades de uvas. O Vinho Verde português, por exemplo, deve ser consumido jovem, no máximo dois anos após feito para aproveitar a acidez intensa.

Alguns tintos da uva Gamay, da região francesa da Borgonha (Beaujolais Nouveau), devem ser consumidos um ano depois de feitos, para conservarem seu frutado rico e frescor.

Já os vinhos da uva Nebbiolo, da região italiana do Piemonte, uva que faz o conhecido “Rei dos Vinhos, Vinhos dos Reis”, o Barolo, precisam amadurecer em barricas e depois envelhecer em garrafas por longos anos, para que seus taninos adquiram maciez. Portanto, cada vinho tem sua idade ideal!

#3 Vinho tinto com carne, vinho branco com peixe!

Infelizmente é uma crença equivocada. A harmonização (combinação de vinho com pratos) é complexa, então dizer que  carne é com vinho tinto, e peixe e frango com vinho branco, é uma generalização. Quando você começa a aprender mais, pode experimentar por exemplo, salmão, atum e polvo com Pinot Noir (Variedade Tinta).

Aí vão algumas carnes  que podem harmonizar bem com vinhos brancos: vitelo, cordeiro, carne de porco, coelho, frango, pato, peru, perdiz, faisão e codorna. Receitas mais leves é a dica para esta combinação. Aconselho vinhos com a variedade Riesling (alta acidez) e Chardonnay barricado.

#4 Vinho deve ser servido em temperatura ambiente. Falso!

Trata-se de uma lenda baseada em um mal-entendido: não se refere aos 21-26 ° das nossas casas, mas à temperatura ambiente de uma casa europeia, já que o termo “ chambrè” vem da França. Essa terminologia significa deixar que o vinho se aqueça a temperatura ambiente da sala, onde seria degustado até atingir a temperatura ideal.

Portanto, não hesite em colocar o vinho tinto na geladeira antes de trazê-lo para a mesa ou pedir o balde de gelo no restaurante até que ele chegue  ao menos na marca dos 18°c. Já no que diz respeito aos vinhos brancos, não exagere com o frio sob o risco de alterar aromas e sabores típicos.

De fato, os aromas são atenuados em torno dos 12 ° e quase não são sentidos abaixo de 8 °,  tirando toda a graça dos vinhos que são os aromas!

#5 Vinho bom é vinho caro?

Depende! Eu responderia. Essa é uma das muitas dúvidas do consumidor no mundo do vinho. O preconceito dos preconceitos é que “vinhos caros são os melhores vinhos”. Isso geralmente é verdade. Mas, ao contrário de outros tipos de compras, os preços do vinho são influenciados por outros fatores além da qualidade. A localização, a vindímia, a pontuação dos guias, altos ou baixos impostos.

Certos vinhos que vêm de vinhas, locais e produtores menos conhecidos – especialmente entre os vinhos importados – podem surpreendentemente oferecer uma boa qualidade. O gosto será sempre pessoal, mas vale a máxima que um vinho não precisará ser caro para ser bom.

20% de desconto

Ana Paula promove cursos para divulgar a cultura do vinho nas ladeiras de Olinda. Foto: Divulgação

Na próxima quarta (13), das 15h às 19h, a Casa do Vinho Olinda irá promover o Curso Introdutório em Vinhos – Nível I e o leitor do PorAqui tem a oportunidade de ganhar um desconto especial de 20% do investimento total, que é  R$ 300 (à vista) ou R$ 350 (2 x no cartão).

Para ser contemplado com a promoção, basta o leitor mostrar esta matéria no primeiro dia de atividade do curso e automaticamente o desconto será computado. História do vinho, a importância do terroir, as principais uvas e degustação técnica de seis vinhos estão na ementa do curso.

“É um curso nível 1, para iniciantes, mas todo mundo que faz se apaixona e termina por fazer os módulos seguintes também”, explica a sommeliére Ana Paula Crasto, responsável pela condução do curso.

Curso Introdutório em Vinhos – Nível I
?
Ladeira da Sé, 240, Carmo-Olinda/PE
? 13 de junho, das 15h às 19h
? R$ 300 (à vista) | R$ 350 (2x no cartão | 20% desconto leitores PorAqui) – Pague online
? (081) 99737-8016