Estabelecer uma relação alimentar restritiva à utilização de produtos de origem animal é uma missão complicada para qualquer vegano. A dificuldade de acesso aos insumos necessários para realizar verdadeiros processos de alquimia gastronômica, despertaram um processo ainda mais transformador: a liberdade de criar. Pautados nesta premissa, quatro proprietários de empreendimentos, moradores de Piedade e Candeias, adeptos do universo vegan, criaram a Cooperação Vegana, que consiste na fabricação de doces e salgados sob encomenda para eventos

A Bruxa Vegana, Crânio Verde, Sr. Vegano e Cumpadi Veg são os responsáveis pela iniciativa. Das tradicionais coxinhas de jaca a casquinha de siri, e um espaço especial reservado para sobremesas.

Nutrologia e veganismo: faça da sua alimentação um ato de amor

“Você consegue sabores idênticos sem nenhuma gota de sangue derramado”, afirma Nina Burkhardt, proprietária da Crânio Verde, que há 13 anos, excluiu qualquer alimento de origem animal da própria dieta, mas faz questão de afirmar: “carne não é ruim, por isso nos empenhamos em conseguir sabores idênticos sem crueldade animal”

Busca

Chegar próximo ao sabor original dos alimentos para que as pessoas percebam que podem trocar a cozinha tradicional pela vegana. Esse é um dos objetivos do grupo. Alexandre Cysneiros, vegano há quatro anos, da Sr. Vegano, profissional apaixonado por confeitaria. “ Percebi que os doces veganos não tinham sabores tão marcantes, isso me motivou a buscar os sabores sem precisar maltratar os animais” conta.

Junto com o grupo, Alexandre troca os produtos e realiza testes até encontrar um sabor semelhante. Ovos, por exemplo, são substituídos por linhaça ou chia. O leite de vaca por leites de soja, de coco, de amêndoas. “Geralmente fazemos tudo do zero. Gostamos de criar artesanalmente. Pego castanha, coloco de molho, faço o leite e, dele, transformo em leite condensado. Qualquer grão vira leite. Nozes, arroz, etc”, explica.

Sovaj: mulheres recifenses e um bar com cardápio 100% vegano

Se a textura e consistência não estiverem próximas, o grupo também trabalha com bases de mandioca, batata doce, macaxeira, para chegar ao ponto necessário.

Hambúrgueres

Rodrigo Ferro, que encabeça a Cumpadi Veg, é vegetariano há três anos e, no início do ano, optou pela veganismo. A especialidade da sua operação na cooperativa é o hambúrguer. A ideia é trazer o sabor dos tradicionais sem usar carnes e derivados. “Trabalho com quatro sabores: feijão, soja, ervilha e lentilha, mas neles, tento trazer uma relação de proximidade com o uso de temperos. A páprica defumada, por exemplo, traz um gosto perto do churrasco”, explica.

2 opções veganas pra aproveitar no Recife Coffee

E a coxinha? Cadê o pastelzinho? Tem também! Juliana Neves, vegana desde os seis anos de idade, cresceu neste mundo. De família gaúcha, há 34 anos, decidiu que não se alimentaria de produtos de origem animal. Era normal, ainda adolescente, levar marmitas para as festas. Proprietária da Bruxa Vegana, é a responsável pelos clássicos das festinhas. A coxinha usa a massa tradicional, mas o recheio é de carne de jaca, de soja e palmito.

A Bruxa Vegana produz coxinhas de carne de jaca, soja e palmito | Foto: Facebook

O Cooperação também trabalha com brownie, pavê de chocolate e paçoca, empadas, falso camarão e falsa casquinha de siri, bolinho de feijoada com recheio de calabresa vegana, couve refogado no alho e cebola; bolinhos de pote em camadas com leite condensado de castanha, compota de frutas frescas e até chantili de leite de coco.

As possibilidades de transformações são incríveis. Nina, professora de gastronomia, garante que não tem limites e ressalta: “Tô chegando no sabor idêntico ao do sarapatel”.

A bruxa vegana, crânio verde, Sr vegano e Cumpadi Veg se uniram na Cooperação Vegana porque acreditam que cooperar é melhor que competir, e carregam como lema: “pelos animais, pela vida, pela saúde”

?Cooperação Vegana
☎ 
(081) 99650-2066