No dia 4 de setembro, o Museu da Cidade do Recife, localizado no Forte das Cinco Pontas, vai celebrar a culinária de matiz africana e promover um mergulho na cultura afrodescendente. O seminário Comida patrimonial de matriz africana: o caso do Xangô pernambucano vai reunir chefs, pesquisadores e religiosos em quatro mesas de debate, com 9h de programação no total.

LEIA TAMBÉM:

Dia do Folclore: 7 lendas urbanas de Pernambuco para você conhecer

Moda: Diabo a Quatro lança coleção inspirada na música pernambucana

O evento, realizado pela Aurora 21 com incentivo do Funcultura, tem consultoria técnica de Manoel Papai, Babalorixá do Sítio de Pai Adão, e coordenação do antropólogo especialista em antropologia da alimentação Raul Lody.

“O Xangô é lugar de preservação de acervos africanos e afropernambucanos através da música instrumental e vocal, das danças, das indumentárias, do artesanato, da mitologia, das tradições orais e, em especial, dos sistemas alimentares”, comenta o coordenador Raul Lody.

Para se inscrever gratuitamente no evento, basta enviar e-mail com nome completo para aurora21.projetos@gmail.com.

Xangô em Pernambuco

Sítio do Pai Adão (Foto: Visit Recife)

O Xangô Pernambucano é uma religião de matriz africana, que também homenageia o orixá Xangô, Alafin de Oyó, Nigéria, África Ocidental. No Recife, o terreiro Obá Ogunté, popularmente conhecido como “Sítio de Pai Adão”, pela sua importância histórica, social e cultural, foi o primeiro terreiro a ser tombado no Brasil por um governo estadual, que o reconheceu como Patrimônio Cultural de Pernambuco pelo Decreto 10.712/1985.

Ainda há outras tradições como Jeje, Angola e o Xambá, que mostram uma diversidade de manifestações sociorreligiosas nas suas cozinhas, com cardápios especiais, todos feitos a partir de uma base e interpretação africana em Pernambuco.

Programação do evento

⏰ 8h
? “Comida, História e Sociedade: Matrizes Africanas e Sistemas Alimentares”, ministrada pelo professor Elmo Alves Silva, docente universitário da UNIFACS Laurante e Babalorixá do Ilê Asé Tolorí Jàgún Ejí Egbé.

⏰10h
? “Comida, Identidade e Direitos Culturais nas Tradições De Matriz Africana”

⏰ 11h
? “Acervos Culinários: Um Olhar Da Gastronomia sobre as Comidas de Terreiro”

⏰ 14h30
? “Panela De Iemanjá: Festa, Tradição e Comida”

⏰ 16h
? “Axé: Os Rituais De Alimentação”. Entre os participantes, nomes como o do chef de cozinha e estudioso da comida regional, Claudemir Barros, e de Paulo de Oxum, Ilê Asé Oyá Megué, do Nação Xambá.

? Seminário Comida Patrimonial de Matriz Africana
? Museu da Cidade do Recife (Forte das Cinco Pontas)
? Dia 4 de setembro
⏰ das 8h às 18h
? Inscrições gratuitas pelo e-mail aurora21.projetos@gmail.com