Jogar dominó é uma atividade recreativa bastante interessante. Faz você pensar em estratégias, blefes, entre outras armas, mas também constrói relações de amizade. Com o grupo que se reúne em um bar do Derby, não é diferente. Os cerca de 40 integrantes fazem isso há mais de 30 anos, de segunda a quinta, com hora pra começar, sem hora pra terminar.

Leia também

O que o Recife tem a ver com a primeira caneca de cerveja servida nas Américas

Uma poesia para ti, Derby

“Pra gente, é um recurso para tirar o estresse depois de um dia de trabalho. Enquanto estamos aqui, brincamos, reforçamos nossa amizade e esperamos o trânsito dar uma aliviada”, Zeca Vasconcelos.

“Aqui é tudo misturado. Tem dono de usina de cana, cardiologista, motorista, comerciante, fazendeiro. Começamos de forma bastante natural. Alguns já se conheciam e outros foram chegando”, conta.

Para fazer parte do grupo, precisa conhecer algum dos integrantes e ser recomendado por ele. Para manter o convívio sadio, não são permitidas apostas, mas a gozação é liberada. Quem leva buchuda posa pra foto, que é postada no grupo do WhatsApp para conhecimento de todos.

“Isso também acontece com o burrinho que jogamos no início. Quem termina com a maior quantidade de pedras fica como o burro do dia”, afirma Zeca. Ao fim do ano, eles organizam uma festa com a rua fechada e torneio com presença de árbitros profissionais de dominó.

As reuniões ocorrem de segunda a quinta, sempre ao fim da tarde, no Drive Derby. O proprietário do lugar também joga. “Uns amigos começaram a se encontrar aqui pra biritar enquanto lavavam o carro e começaram a jogar. Depois foram aparecendo outros, até que aqui ficou como referência. Tem gente que chama de escritório”, comenta Antônio Agostinho, responsável pelo Drive.