Tem uma música (lá vou eu de novo, começando o texto com música) do Black Sabbath que eu gosto muito. Ela fala de relacionamentos (ou do fim deles), mas o refrão me lembra muito a minha mudança para as Graças. É, basicamente, Ozzy Osbourne, cantando a mesma frase duas vezes:

I’m going through changes

Cerca de um ano atrás, eu dividia meu quarto com 28 caixas. Eu perdia minha chave no meio das coisas, eu procurava ficar a menor quantidade de tempo possível dentro de casa – acreditem, 28 caixas num quarto sufocam até a pessoa menos espaçosa do mundo – e eu chorava com a ideia de ter que procurar algum livro.

Um manual, bem pessoal, sobre dias sem gasolina

Um ano se passou desde que eu me mudei (ou quase um ano, faltam alguns dias). Já falei sobre o silêncio, já virei conhecida pelo bairro, já li comentários de como minha escrita parece com a do Calvino (eu quase chorei quando isso aconteceu) e que a maneira que via o mundo parecia que a vida era simples.

Iniciante, eu? (Foto: Heloiza Montenegro/Colaboração)

Vez ou outra – mais por hábito, acho – eu pergunto pra minha mãe se ela se arrepende em ter vindo morar aqui. Ela sempre diz que não. Hoje em dia, menos ainda. Todos os dias ela acorda cedo para caminhar na Beira Rio (o tênis já fica na porta). Nos domingos, ela chega em casa comentando da missa. A alegria de ter escolhido morar aqui agora é parte de nós duas.

Já eu, me mudar para as Graças melhorou meu sono, me deixou mais perto da Universidade, apurou meu paladar e me fez voltar a escrever, hábito que eu havia deixado.

Eu ainda tenho muito pra descobrir, muitos lugares para andar, muitas aventuras. Eu, famosa por sempre viajar muito – dez países, mais de 15 estados do Brasil – acabei, de alguma maneira, deixando minhas raízes por aqui por um tempo. Agora é só esperar pelas próximas aventuras para além da Guilherme Pinto.

 

Heloiza Montenegro, novata no bairro, pode ser encontrada com a cabeça enfiada num livro, dormindo em um ônibus ou tomando chocolate quente. Ou escrevendo para o seu blog Em 365 dias.

 

Os conteúdos publicados no PorAqui são de autoria de colaboradores eventuais e fixos e não refletem as ideias ou opiniões do PorAqui. Somos uma rede que visa mostrar a pluralidade de bairros, histórias e pessoas.